Missão atua na Alemanha para levar BMW para SC

Local da fábrica ainda não está decidido, mas aproximação com Santa Catarina é cada vez maior

A BMW ainda não bateu o martelo sobre qual cidade brasileira poderá abrigar sua fábrica no país, mas algumas sinalizações da empresa nos últimos dias demonstram uma aproximação cada vez maior com Santa Catarina.

Nesta quinta-feira, o secretário de desenvolvimento econômico, Paulo Bornhausen, e o secretário de Assuntos Internacionais de Santa Catarina, Alexandre Fernandes, se reuniram em Munique, na Alemanha, com executivos da diretoria mundial na sede da montadora. Na terça-feira, dia 29, será a vez de o presidente da filial no Brasil, Jörg Henning Dornbusch, realizar palestra no Encontro de Ideias de 2012 da Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil em Santa Catarina (ADVB/SC), no Clube Scar, em Jaraguá do Sul. A cidade, no norte do Estado, é conhecida por ser um polo metal-mecânico, onde estão empresas de grande porte como a WEG.
 
Ontem, o governador do Estado de Santa Catarina, Raimundo Colombo, disse ao Valor que a vinda da empresa "estava por muito pouco", estimando que um anúncio poderia ocorrer em junho.
 
Os secretários apresentaram em Munique informações sobre o Estado e foram acompanhados pelo candidato a prefeito de Joinville e presidente da Associação Comercial e Industrial de Joinville (ACIJ), Udo Döhler, que fala alemão e poderia facilitar o diálogo. Uma fonte próxima à negociação disse que as questões de engenharia relacionadas ao terreno prospectado pela empresa já estavam concluídas e que havia ainda detalhes em questões tributárias, relacionadas a incentivos.
 
A assessoria de imprensa da BMW confirmou a agenda de Dornbusch em Jaraguá do Sul, mas não confirmou a reunião em Munique. Sobre a possível instalação de uma fábrica no Brasil, apenas informou que a intenção continua, mas há uma série de questões que ainda estão em discussão.
 
Em Jaraguá do Sul, Dornbusch vai falar sobre sua trajetória profissional e dos 13 anos de BMW - seis deles à frente da subsidiária brasileira - além de destacar a atuação do grupo alemão no Brasil. A organização tem expectativa de lotação máxima da Scar (500 lugares).
 
Há quase um ano, a BMW vem "namorando" o Estado. Chegaram a circular informações de que a montadora estaria avaliando outras cidades em outros Estados, como São Paulo. Os rumores mais fortes em Santa Catarina dizem respeito à instalação em Araquari, no norte do Estado, vizinha à Joinville, a maior cidade catarinense.
 
Uma fonte próxima informou que a empresa cogitou inicialmente dois terrenos, um deles no município de Barra Velha e outro em Araquari para fazer estudos da área. Mas nos últimos meses, ela teria parado de prospectar em Barra Velha e se concentrado apenas em Araquari em uma área de 100 hectares. Coincidentemente, Araquari, uma cidade com 24 mil habitantes, tem desde fevereiro discutido algumas mudanças no Plano Diretor do município que poderão favorecer a instalação da BMW.
 
Há estudos para mudança de zoneamento às margens da BR-101 para que o local seja um corredor de empresas do setor automotivo. Atualmente, o zoneamento desta área permite a instalação de todo o tipo de empresa desde que de grande porte. Com a mudança, o município fará deste um local direcionado para instalação de uma montadora com suas empresas-satélites na proximidade.
 
Em fevereiro, já foi aprovada a ampliação do perímetro urbano do centro da cidade, que saiu de 11 milhões de metros quadrados para 21 milhões de metros quadrados, com inclusão de dois novos bairros neste zoneamento: bairro Areias Pequenas e Colégio Agrícola. Com essa mudança, esses dois bairros saíram da condição de "áreas de interesse ambiental" para áreas que permitem desde residências, comércio e indústrias num mesmo local. Assim, abre-se a possibilidade para que as pessoas também morem próximas às empresas, evitando grandes trajetos entre trabalho-residência com uso de transporte público, conforme explicou Aldo Borges, diretor de planejamento de Araquari.
 
Outras alterações ainda poderão ser feitas no Plano Diretor, segundo Borges. O intuito, diz, é preparar a cidade para os novos tempos. O plano diretor, de 2006, na sua avaliação, já não estaria adequado para as "novas necessidades da cidade".
 
O prefeito de Araquari, João Pedro Woitexem (PMDB) não concedeu entrevista. Ele teria viajado, coincidentemente, para a Europa. Segundo sua assessoria, ele teria ido para Espanha e não Alemanha.
 
Por Vanessa Jurgenfeld/Valor Econômico
Tópicos:
        



Comentários