B+W garante 72% das vendas da Romi no exterior

Fundidos e usinados da Romi aumentam em 45% sua entrada de pedidos em relação ao trimestre anterior

A fabricante alemã de máquinas-ferramenta Burkhardt+Weber foi responsável por 25% da receita operacional líquida da Romi no primeiro trimestre deste ano. Os ativos da empresa foram comprados pela empresa brasileira em janeiro e entre fevereiro e março totalizou uma receita líquida de R$ 37,6 milhões. Europa e Ásia, principais mercados atendidos pela B+W, foram responsáveis pelo valor alcançado. Com esta consolidação, 34,5% da receita operacional líquida da Romi foi registrada no exterior.
 
"Os resultados do primeiro trimestre de 2012 demonstram como foi assertiva a aquisição da B+W pela Romi. Conseguimos avançar estrategicamente em regiões onde nossas vendas eram menos expressivas, como a Ásia”, comenta Livaldo Aguiar dos Santos, diretor presidente da Romi.
 
A receita operacional líquida total registrada pela Romi atingiu R$ 149,7 milhões, valor 7,9% superior ao do mesmo período do ano passado. Neste trimestre, considerando a receita da B+W, a Europa representou 48,4% da receita obtida no mercado externo. Outro fator que merece destaque é a entrada do mercado asiático no portfólio da Companhia, resultante das receitas obtidas pela B+W na China no valor de R$ 19,3 milhões. Por essa razão, os Estados Unidos tiveram sua participação nas vendas da Romi diluída, representando 10,4%. Já a América Latina passou a representar 6,7%.
 
 
Em Máquinas-Ferramenta, a receita operacional líquida atingiu R$ 105,2 milhões no 1T12, dos quais R$ 37,6 se referem à consolidação da receita operacional líquida da B+W. Este valor representou um aumento de 23% se comparada ao mesmo período no ano anterior e de 1,9% quando comparada ao 4T11. Em Máquinas para Plástico, a receita do primeiro trimestre de 2012 foi de R$ 23,2 milhões, com crescimento de 3,6% em comparação ao quarto trimestre de 2011.
 
A unidade de negócios de Fundidos e Usinados encerrou o primeiro trimestre de 2012 com crescimento de 45,3%, em sua entrada de pedidos em relação ao 4T11, devido especialmente à demanda de produtos para o mercado de energia eólica. Já as vendas físicas desta unidade somaram 3.515 toneladas no período, aumento de 8,5% sobre as 3.240 toneladas faturadas no 1T11.
 
No 1T12, a geração operacional de caixa medida pelo EBITDA (Lucro Antes dos Resultados Financeiros, Impostos, Depreciação e Amortização) foi de R$ 17 mil, representando uma margem EBITDA nula no período.
 
Tópicos:



Comentários