Máquinas agrícolas: Argentina complica exportações

Apesar de as exportações de máquinas agrícolas terem crescido 10,5% no primeiro bimestre deste ano, na comparação com o mesmo intervalo de 2010, com 2,9 mil unidades embarcadas, o País continua enfrentando dificuldades com a Argentina, principal mercado externo consumidor do segmento. Só no ano passado, o país vizinho foi responsável por 57% da queda das vendas externas, revela Milton Rego, diretor da Anfavea, a associação nacional dos fabricantes de veículos.

“Nossa previsão inicial é de que não haverá queda nas exportações este ano. Entretanto, se a situação com a Argentina não se regularizar em no máximo dois meses, vamos ter de trabalhar com um cenário de queda para 2012.”

O País também enfrenta dificuldades fora da América Latina, região que ocupa a primeira posição em importância para as exportações do segmento. As máquinas nacionais vêm perdendo mercado nos Estados Unidos, segundo mercado em importância. “Nossa falta de competitividade tem reduzido o porcentual de participação no mercado norte-americano pelo menos nos últimos seis anos, e perdemos para as matrizes europeias e para as empresas instaladas na Índia e Turquia.”

Também por falta de competitividade as vendas têm caído na África, terceiro principal mercado consumidor de máquinas agrícolas brasileiras. Porém, segundo o diretor da Anfavea, ainda há alguma expectativa positiva com relação ao continente, que está aderindo ao programa Mais Alimentos, numa iniciativa do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) brasileiro com países como Gana, Zimbábue, Moçambique, Senegal e Quênia. “Esperamos que esta seja a oportunidade para a retomada dos produtos brasileiros na África”, conclui.

Tópicos:
  



Comentários