Indústria teme efeito da crise europeia

Sete em cada dez empresas industriais paulistas acreditam que o agravamento da crise na Europa provocará retração da demanda interna neste ano. Esse quadro, na visão empresarial, levaria à revisão de planos de investimentos e à demissão de funcionários.

De acordo com pesquisa sobre as perspectivas para a economia, feita pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp),58% das empresas entrevistadas pretendem reduzir o quadro de pessoal,caso a demanda por seus produtos seja afetada pela crise dos países da zona do euro.

A entidade ouviu 398 empresas do setor, entre os dias 1.º de dezembro de 2011 e 6 de janeiro deste ano, em todo o Estado de São Paulo, principal centro industrial do País. Além do corte no número de trabalhadores, as empresas indicaram outras medidas que podem adotar num cenário de retração do mercado doméstico provocada pela crise externa.

Entre as alternativas está a revisão dos planos de investimentos: 56% dos entrevistados informaram que reduziriam os investimentos emaumento ou manutenção da capacidade produtiva, 33% aumentariam os investimentos voltados à redução de custos e 20% aumentariam os gastos com inovação de produtos.

Outros 19%, segundo a enquete da Fiesp, reduziriam os investimentos em inovação, enquanto 14% afirmaram que optariam por importar produtos mais baratos para a revenda no mercado brasileiro. Só 10% buscariam
mercados no exterior e 5% não tomariam nenhuma medida ou acreditamque a empresa não seria afetada.

Para o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, além do receio de a crise internacional atravessar o oceano, o pessimismo dos empresários do setor reflete o mau resultado de 2011 e uma certa desconfiança em relação à capacidade do governo da presidente Dilma Rousseff resolver os problemas queafetamacompetitividade das empresas brasileiras. “O governo fez promessas durante todo o ano passado, mas não cumpriu muita coisa”, argumenta Skaf. “Enquanto continuar a guerra fiscal , as importações desenfreadas e a defesa comercial fraca, entre outros problemas, não se pode ter nenhuma expectativa positiva, mesmo”, afirma o empresário.

Sobrevivência
Pressionada pelaconcorrênciadas importações de produtos chineses,afabricante de componentes eletrônicos
Tecnotrafo pretende recorrer à redução de custos para manter sua sobrevivência caso o quadro interno se agrave com a crise lá fora. “Não acho que será preciso, mas senão houver outra alternativa vamos ter de enxugar o número de funcionários”,diz o empresário José Carlos Fialho, um dos donos da empresa. Nos bons
tempos, a Tecnotrafo chegou a ter mais de 300 funcionários.Hoje, emprega 170 pessoas na capital paulista.

A produção industrial pode ser afetada também por uma eventual redução do crédito no País.  A principal medida que seria adotada pelas empresas,nessa situação, seria a adaptação da produção ao crédito disponível no País, apontada por 40% dos participantes da pesquisa da Fiesp.

Para as operações da empresa, 51% dos entrevistados indicaram que a taxa de câmbio deconforto seria de até R$ 1,80 por dólar. De acordo com a Fiesp, o resultado foi afetado pelas empresas de pequeno porte. Para 61% das empresas desse segmento, esta seria a taxa de conforto, enquanto 74% das empresas de grande porte indicaram uma taxa de câmbio acima de R$ 1,80 por dólar.

Desaceleração
A pesquisa realizada pela Fiesp aponta ainda para uma desaceleração daatividade industrial no primeiro semestre deste ano. As expectativas das empresas,embora igualmente divididas entre crescimento, estabilidade equeda,indicam menor crescimento da produção e das vendas quando comparadas aos resultados dos anos anteriores.

A tendência de desaceleração é reforçada pela queda do porcentualde empresas quepretendem contratar mão de obra no primeiro semestre. Em 2010, 51% dos entrevistados informaram que pretendiam ampliar quadro de pessoal no primeiro semestre. No ano passado, o porcentual baixou para 42% e, neste ano, caiu ainda mais, para apenas 31%.




Comentários