Demanda por aço continua alta e vendas crescem 10% na Gerdau

O aumento de 10% nas vendas físicas da Gerdau durante o terceiro trimestre deste ano, reflexo da maior demanda mundial por aço, resultou na expansão da sua receita líquida consolidada para R$ 9 bilhões, um crescimento de 9% perante o mesmo período do ano anterior. Já a produção consolidada de aço atingiu 5 milhões de toneladas, um acréscimo de 14% frente ao terceiro trimestre de 2010.

Apesar do aumento da receita líquida, a geração de caixa operacional (EBITDA) consolidada apresentou redução de 4% em relação ao mesmo período do ano anterior, atingindo R$ 1,2 bilhão, devido à elevação dos custos com matérias-primas. Ao comentar o balanço, o diretor-presidente (CEO) da Gerdau, André B. Gerdau Johannpeter atribuiu os bons resultados a crescente demanda por aço. “As perspectivas para o mercado global do aço mostram crescimento da demanda, mas continuamos cautelosos em relação às incertezas do cenário econômico mundial”, disse.

No Brasil (exceto usinas produtoras de aços especiais), foi comercializado 1,8 milhão de toneladas de aço, volume 9% superior em relação ao mesmo período de 2010, devido ao aumento da demanda no mercado interno. O Brasil foi o destino de 79% dos R$ 616 milhões investimentos deste trimestre. Os principais projetos a receberem investimentos foram a instalação de laminadores de aços planos e para ampliação da produção própria de minério de ferro, ambos na Gerdau Açominas (MG), e para o aumento da capacidade de laminados da usina de aços longos Cosigua (RJ) e da usina de aços especiais Pindamonhangaba (SP).

Os demais países da América Latina (exceto Brasil) somaram 711 mil toneladas de aço comercializadas, 26% a mais frente ao mesmo período do ano anterior, com destaque para os mercados da Colômbia, do México e da Argentina. Nas unidades do Canadá e dos Estados Unidos (excluindo usinas produtoras de aços especiais), houve um aumento de 8% nas vendas físicas em razão da maior demanda da indústria e do setor de energia, atingindo 1,6 milhão de toneladas.

Tópicos:
  



Comentários