Fabricante de carretas adota manufatura digital para ampliar produtividade

A fabricante de carretas agrícolas do Brasil, a Triton Máquinas Agrícolas, de Luzerna, vai adotar a manufatura digital para simular o processo produtivo e melhorar sua produtividade. O trabalho será desenvolvido a partir desta quinta-feira, dia 1º, por consultores do SENAI/SC e do Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), de São José dos Campos-SP. "Nossa capacidade produtiva está no limite; a empresa precisa repensar o layout fabril para melhorar a produtividade para atender a crescente demanda do mercado", afirma Márcio Luís Dalla Lana, diretor-presidente da empresa, que de 2006 a 2010 duplicou o faturamento.

A manufatura digital faz a simulação em computador do processo fabril, permitindo a identificação de gargalos e possibilidades de melhoria. Dalla Lana afirma que o novo layout também identificará a necessidade de investimentos em novos equipamentos. Para iniciar a remodelação da área fabril, a empresa acaba de comprar uma máquina de corte de plasma e um torno, ambos com comandos numéricos computadorizados.

Triton adota manufatura digital para aumentar produtividadeAs melhorias no processo produtivo também permitirão à Triton ampliar a produção de carretas metálicas, produto lançado em 2002 e cujas vendas crescem em torno de dois pontos percentuais ao ano e hoje representam 15% das 350 a 400 carretas produzidas por mês pela empresa. "Os agricultores preferem as carretas de madeira, que são menos barulhentas, mas a madeira está se tornando cada vez mais rara e difícil de usar", explica o empresário. Além das carretas (todas de tração motorizada), a Triton produz adubadeira e semeadora e batedor de cereais. O único equipamento de tração animal que a empresa ainda produz é um pulverizador.

A indústria produz carretas de uma a oito toneladas, respondendo por algo em torno de 15 a 20% do mercado nacional. São 23 tipos de veículos, adequados a diferentes culturas agrícolas ou formas de transporte, como uva, banana, silagem, grãos ou sacas. As vendas alcançam o Sul e Sudeste, além dos estados da Bahia e Mato Grosso. As exportações para América Central, África e os demais países do Mercosul representam 5% do faturamento da empresa.




Comentários