Indústria nos EUA prepara-se para nova recessão, diz ‘FT’

Companhias industriais dos EUA estão se preparando para cair de novo em uma recessão, com planos de cortes de vagas e outras reduções de custo, ainda que não tenham visto nenhuma diminuição da demanda decorrente da recente turbulência financeira e política nos EUA, diz o jornal britânico Financial Times em seu website.

Algumas indústrias de manufatura, incluindo as de equipamentos agrícolas e de mineração, ainda estão projetando forte crescimento. Outros dizem que as encomendas e as vendas continuam em alta. Contudo, nos últimos dias várias companhias disseram que estão atentas à demanda e que identificaram economias a serem feitas se a demanda cair.

S&P discorda
A economia dos EUA provavelmente não voltará à recessão, embora os riscos para isso tenham crescido, afirmou Lorraine Tan, vice-presidente de pesquisa com ações da agência de classificação de risco Standard & Poor's na Ásia. Tan acrescentou que os países asiáticos não terão problemas caso haja uma dupla recessão moderada na economia norte-americana.

"Mesmo se houver uma recessão moderada nos EUA, ainda haverá crescimento na Ásia, embora bem menor do que o que nos acostumamos a ver na última década, o que impedirá uma crise financeira", afirmou Tan. Economias asiáticas com forte demanda doméstica, como China, Índia e Indonésia, não deverão ter uma desaceleração significativa em razão do aumento dos salários, que estimula o consumo, argumentou.

A desaceleração da economia dos EUA e a prolongada crise de dívida na zona do euro, especialmente na Itália e na Espanha, tornaram sombrias as perspectivas para os mercados de ações. O sentimento dos investidores foi enfraquecido depois que a S&P rebaixou o rating de crédito dos EUA de AAA para AA+, no dia 5 deste mês.

Para Tan, os problemas na zona do euro são uma preocupação maior do que os EUA. Tan comentou também que os mercados de ações da Ásia vão continuar vivendo um momento difícil neste trimestre, antes de se recuperarem nos três últimos meses do ano.

Tópicos:
  



Comentários