Laminação a quente domina processo

Nas três etapas de conformação, lingotes e tarugos passam por duas laminações a quente 

A laminação é o processo de transformação mecânica de metais mais utilizada por apresentar alta produtividade e um controle dimensional do produto acabado. Este é um processo de conformação que consiste em modificar a seção transversal de um metal na forma de barra, lingote, placa, fio, pela passagem entre dois cilindros com geratriz retilínea (laminação de produtos planos) ou contendo canais entalhados de forma mais ou menos complexa (laminação de produtos não planos), sendo que a distância entre os dois cilindros deve ser menor que a espessura inicial da peça metálica.

Na laminação o material é submetido a tensões compressivas elevadas, resultantes da ação de prensagem dos rolos e tensões cisalhantes superficiais, por conta do atrito entre os rolos e o material.  As forças de atrito são também responsáveis pelo ato de "puxar" o metal para dentro dos cilindros.

A primeira etapa do processo é a redução ou desbaste inicial dos lingotes em blocos, tarugos ou placas e é realizada normalmente por laminação a quente. Depois transforma-se o produto em chapas grossas, tiras a quente, vergalhões, barras, tubos, trilhos ou perfis estruturais, também em processo a quente.  Por último, a laminação a frio que produz tiras de excelente acabamento superficial, com boas propriedades mecânicas e controle dimensional do produto final bastante rigoroso.
Tópicos:



Comentários