Empresas de Nova Friburgo recebem ajuda para se recuperar

Depois da tragédia de janeiro, causada pelas fortes chuvas, que deixou a região serrana do Rio de janeiro completamente destruída, com mais de 800 mortos e alterações geográficas, começa a fase de recuperação das cidades e das empresas que ali se localizam. O mutirão SOS Empresas levou orientações e prestação de serviços para empresários e empreendedores em fase de reconstrução das suas atividades. Entre as ajudas, estão adiamento de prazos e financiamentos.

O evento foi realizado no Counry Club, de Nova Friburgo, onde puderam se informar e buscar soluções e informações com diversas instituições e órgãos. Na ocasião, o Banco do Brasil entregou simbolicamente as primeiras quantias do Programa Emergencial de Reconstrução (PER) para a Região Serrana aos empresários de Friburgo. Até semana passada, já haviam sido liberados R$ 150 mil, correspondentes a duas operações de financiamento para capital de giro. O banco já acolheu 269 propostas do BNDES – PER, que somam R$ 23,8 milhões. Destas, 27 já foram aprovadas pelo BNDES e dependem da assinatura do instrumento de crédito para liberação de recursos da ordem de R$ 2 milhões.

Segundo o prefeito Dermeval Barboza Neto, “já prorrogamos prazos de recolhimento de alguns tributos e tivemos uma reunião com empresários saindo otimistas com a possibilidade de linhas especiais de financiamento. Hoje, vemos que isto já é uma realidade. Quem é de Friburgo ou escolheu a cidade, quer permanecer aqui e se recuperar”. “Vamos fazer, no dia 16 de maio, aniversário da cidade, um movimento para dinamizar o turismo na cidade e levantar a autoestima do friburguense”, anunciou.

A primeira operação liberada do PER, de R$ 50 mil, foi contratada por uma empresa de contabilidade no bairro de Olaria, atingida indiretamente pelas enchentes. Apesar de estimar uma perda no faturamento mensal de 20% a 25%, o contador Afonso Quintino da Costa manteve o quadro de 40 funcionários. “Atendo cerca de 500 empresas no município que passam por dificuldades, mas precisam dos nossos serviços, não posso demitir”, explica. Os recursos servirão para reforçar o caixa na hora de pagar os salários ao longo dos próximos meses.

Participaram da iniciativa Sebrae-RJ, Firjan, Fecomércio, Banco do Brasil, Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Bradesco, Caixa, Itaú, Santander, Claro, Vivo, Oi, Energisa, Jucerja, Receita Federal, Receita Estadual, Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Inea, Secretaria Municipal de Fazenda, Associação Comercial de Nova Friburgo (Acianf) e Investe Rio. Sebrae/RJ ofereceu consultoria de crédito e tributária, orientações sobre abertura de empresa e declarações anuais.

Tópicos:



Comentários