Produção industrial cai 0,2% no mês de setembro

A produção industrial brasileira recuou 0,2% entre agosto e setembro, mas apresentou elevação de 6,3% no comparativo com o nono mês de 2009, apontou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em nota. No terceiro trimestre, perante um ano antes, o setor industrial teve expansão de 7,9%.

Olhando para os nove primeiros meses deste calendário, houve alta de 13,1% na atividade fabril. No acumulado de 12 meses, o avanço foi de 11,2%, o mais expressivo desde o começo da série histórica do IBGE.

Na passagem de agosto para setembro, 15 segmentos tiveram queda na produção industrial, como outros produtos químicos (-4%), material eletrônico e equipamentos de comunicações (-11%), alimentos (-1,7%), metalurgia básica (-2%), veículos automotores (-0,9%) e refino de petróleo e produção de álcool (-1,5%). Em sentido oposto, 12 verificaram alta na atividade fabril, como edição e impressão (15,5%), farmacêutica (6,3%), indústrias extrativas (2,5%) e bebidas (4%).

Considerando a comparação com setembro de 2009, 22 dos 27 ramos estudados tiveram incremento na produção, com destaque para veículos automotores (19,8%). Também mereceu menção o desempenho de máquinas e equipamentos (13,1%), edição e impressão (17,6%), indústrias extrativas (13,5%) e alimentos (5,8%).

Por categorias de uso, de agosto para setembro, bens de capital declinaram 2,6% e bens de consumo duráveis diminuíram 1,3%. O decréscimo foi menor em bens intermediários (-0,5%). No campo positivo, apareceu a produção de bens de consumo semiduráveis e não duráveis, com elevação de 1,3%, e bens de consumo, com alta de 0,9%.

Ante setembro do ano passado, sobressaiu o caso de bens de capital, com ampliação de 15,9%. Bens intermediários subiram 5,9% e bens de consumo semiduráveis e não duráveis, 5,8%. Na contramão, ficou a produção de bens de consumo duráveis, que encolheu 0,2%.

Tópicos:
  



Comentários