Produção da GM em Joinville deve começar em 2012

Depois de quase um ano e meio sem nenhuma movimentação, o terreno da General Motors (GM) no km 47 da BR-101, em Joinville, Santa catarina, deve, finalmente, voltar a ser um canteiro de obras. O diretor de assuntos institucionais da empresa, Luiz Moan, anunciou que a retomada dos trabalhos de terraplanagem vão ocorrer na primeira semana de agosto e anunciou que a unidade deve começar a produção em 2012.

A fábrica de motores e cabeçotes irá faturar R$ 300 milhões ao ano, terá investimentos de R$ 350 milhões e vai gerar 500 empregos diretos. “Acredito que não teremos mais problemas em relação às questões ambientais. Estamos finalizando o projeto e prevemos a construção de um acesso através de uma marginal, que será negociada com o DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) e a Autopista, concessionária da rodovia”, anunciou Moan.

GM anuncia inicio das obras em JoinvilleO anúncio foi acompanhado pelo prefeito Carlito Merss, que participou de uma reunião com executivos da montadora no começo da tarde de ontem.

“Conversamos sobre o tratamento de efluentes e garantimos todo o apoio para que as obras aconteçam o mais rápido possível. Estamos agendando encontro entre órgãos da Prefeitura para agilizar os processos”, afirmou o prefeito.

Terraplanagem
No dia 30 de julho, a General Motors do Brasil anuncia qual empresa será responsável por retomar as obras de terraplanagem. Três empreiteiras participam da concorrência. Os trabalhos começaram pela primeira vez em outubro de 2008, mas foram paralisados no começo do ano seguinte. Na época, as chuvas e a crise financeira foram apontadas como os principais responsáveis pela interrupção.

A empresa escolhida não poderá aproveitar muito da terraplanagem feita há mais de um ano. Segundo o gerente de assuntos institucionais da GM, Antônio Carlos Ramos, as condições climáticas prejudicaram o terreno e pelo menos 60% do trabalho precisarão ser refeitos. A expectativa é de que essas obras durem 90 dias.

Início das obras
Se o fim da terraplanagem acontecer dentro do prazo de 90 dias, a unidade joinvilense da GM pode finalmente sair do papel ainda este ano. A construção das edificações começaria em novembro e levaria pelo menos um ano para ser concluída.

O número de prédios que devem ocupar os 73 mil m² que a montadora espera edificar ainda é um mistério. A fabricante de automóveis não divulgou como deve ser a planta e prometeu mostrar o projeto final em 20 dias.

“Nossos engenheiros estão fazendo as últimas definições no layout do projeto, que está praticamente concluído, mas ainda pode sofrer modificações”, afirmou o diretor de assuntos institucionais da GM, Luiz Moan.

Meio ambiente
A General Motors deve esperar a permissão para retirar o morro que ocupa 2,15 hectares do terreno, cerca de dois campos de futebol, antes de divulgar a planta da fábrica. A Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina (Fatma) já deu indícios de que entregará o documento em meados do mês que vem, pois técnicos ainda fazem as análises finais do pedido.

Além da licença ambiental, a montadora precisa do apoio da Eletrosul para retirar a elevação. Uma torre de transmissão de energia que fica no morro precisará ser removida e substituída por outros postes. O prazo para a realização desses trabalhos é de cerca de 12 meses, finalizando-se em maio de 2011.

Mão de obra
Com a inauguração da GM em Joinville, serão criados 500 empregos diretos e 1,5 mil indiretos. A expectativa da montadora é de que as contratações comecem nos primeiros meses de 2012.

O diretor de assuntos institucionais da GM, Luiz Moan, e o prefeito Carlito Merss afirmam que ainda vão conversar sobre parcerias para qualificação de mão de obra, e que, para suprir a falta de profissionais qualificados, esperam contar com instituições de ensino públicas e privadas.

“O novo campus da Ufsc (Universidade federal de santa Catarina) oferece cursos de engenharia de mobilidade. Pretendemos reformular os cursos da Fundamas, além de contar com a Sociesc, o Instituto Federal de Santa Catarina (Ifsc) e o Cedup”, diz Merss.

Fabricação
A produção da GM deve começar em meados de 2012. A fábrica fará 120 mil motores e 200 mil cabeçotes ao ano. Destes, 120 mil serão usados nos motores fabricados na unidade, que vão atender a demanda da GM de Gravataí. Os outros 80 mil serão exportados para a GM de Rosário, na Argentina.

“Nesta primeira etapa, apenas os cabeçotes serão usinados em Joinville. Os motores serão utilizados nos modelos Celta, Prima e no lançamento Onix”, explica o diretor de assuntos institucionais da montadora, Luiz Moan.

A empresa, que tem a Tupy como fornecedora, não descarta contar com mais parceiros locais. “Vamos abrir concorrência para fornecedores de todos os itens.”

Tópicos:



Comentários