GM começa ampliação de indústria em Gravataí

Imagem: Divulgação

A General Motors deu a largada nas obras de expansão de seu complexo industrial em Gravataí. O plano é ampliar a capacidade produtiva da planta em até 65%, a partir de um investimento estimado em R$ 1,4 bilhão. Nesta quarta-feira, durante a solenidade de lançamento das obras, o vice-presidente da GM no Brasil, José Carlos Pinheiro Neto, contou que o empreendimento começou a sair do papel em 2008, a partir de um jantar com Aod Cunha, então secretário de Fazenda do Rio Grande do Sul. Foi nesse encontro que a montadora recebeu um sinal positivo quanto à possibilidade de contar com incentivos fiscais para levar a expansão adiante.

Depois disso, viria a crise. “Sem dúvida nenhuma, a crise mundial atrapalhou, e muito, nossos projeto”, confessa Pinheiro Neto. Mesmo assim, a montadora anunciou, em setembro passado, um investimento de R$ 5 bilhões no Brasil até 2014. Em Gravataí, os R$ 1,4 bilhão serão destinado ao projeto Onix, que contempla a fabricação de dois novos veículos e o consequente aumento da capacidade produtiva – de 230 mil para 380 mil carros por ano a partir de 2012.  

Com a saída de Aod da Fazenda, em janeiro de 2009, Pinheiro Neto e a alta diretoria da GM passaram a ter como interlocutor junto ao governo gaúcho Ricardo Englert, titular da pasta desde então. Foi com ele que a empresa costurou um adiamento no recolhimento de ICMS por dez anos. “O Englert foi um sádico, nos servindo Coca-Cola quente e sanduíche frio durante as reuniões”, disse, aos risos, Pinheiro Neto.

Do total que será investido no complexo de Gravataí até 2012, R$ 544 milhões sairão dos cofres do BNDES por meio de repasses do Banrisul e do BRDE. Com o investimento, a fábrica reforçará sua posição de uma das mais eficientes e produtivas da GM no mundo. “Trata-se de um dos maiores e melhores complexos automobilísticos do mundo. Poucas empresas têm fábricas de 380 mil veículos por ano”, assegura Jaime Ardila, presidente da GM do Brasil e Mercosul.

Segundo ele, foram três os fatores fundamentais para a escolha de Gravataí para receber o investimento. O primeiro deles diz respeito à perspectiva econômica brasileira, cujo mercado automobilístico só é menor que o da China, Estados Unidos e Japão. O segundo está relacionado à qualidade na mão-de-obra local e os altos índices de eficiência dos empregados de Gravataí. A terceira razão, e possivelmente a principal, diz respeito à ajuda dos entes públicos – leia-se governo estadual e prefeitura municipal. “Demos um exemplo de como o trabalho conjunto entre o público e o privado proporciona ótimos resultados ao simplificar os trâmites burocráticos”, finaliza Ardila. “Esse foi o melhor programa fiscal feito até hoje no Brasil. Hoje, emitimos meia dúzia de notas fiscais e fazemos 230 mil carros”, explica Pinheiro Neto.



Comentários