Projeto prevê gerar energia a partir de elevadores

Usina de Energia Vertical cria campo eletromagnético entre imãs e bobinas de cobre, gerando energia limpa


Continua depois da publicidade


Imagens: Divulgação

A empresa Zettawatt informa que desenvolveu um sistema de geração de energia a partir do movimento do contrapeso de elevadores. Conhecido como Usina de Energia Vertical, o sistema pode diminuir o consumo elétrico em cerca de 50%. O projeto está em busca de investidores.

"O objetivo do sistema é ser mais uma fonte renovável de energia limpa, reduzindo significativamente a emissão de gases poluentes e melhorando o meio ambiente", afirma o engenheiro Michel Singer, autor do sistema e sócio da Zettawatt.

De acordo com o engenheiro, a Usina de Energia Vertical prevê a instalação de uma série de imãs no contrapeso do elevador. Nas paredes do poço do elevador, por sua vez, são colocadas bobinas de cobre interligadas por um cabo de energia. "Quando o contrapeso sobe ou desce, os imãs passam em frente às bobinas fixadas na parede do poço, criando um campo eletromagnético que gera eletricidade", explica Singer.



Por meio do cabo de aço, a energia é encaminhada para o transformador na sala de máquinas, sendo dividida em alta ou baixa tensão para depois ser armazenada nas baterias. "Essa energia poderá ser usada na iluminação do edifício ou em outros sistemas dos apartamentos ou salas comerciais", conta o engenheiro.

De acordo com ele, um elevador de capacidade de 1,6 mil kg, com velocidade de 2,5 m por segundo e 16 paradas poderiam gerar, com uma usina vertical, uma economia média de 50% em energia com relação aos elevadores convencionais. A economia varia de acordo com o peso que o elevador sustenta, chegando a 59% quando estão totalmente vazios ou cheios.

Em busca de investidores, a empresa afirma que deve enviar ainda nesta semana um plano de negócio da Usina de Energia Vertical para o Cefet-RJ (Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca), e no final de março para a COPPE-UFRJ (Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-graduação e Pesquisa de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro).

 




Comentários