Dormer lança novas fresas para aços com alto grau de estabilidade

Fotos: Divulgação

Alguns fatores importantes a considerar quando escolhemos a ferramenta ideal para qualquer processo de fresamento incluem vibração, acabamento superficial da peça e cobertura da ferramenta.

Estes elementos são diretamente abordados pelo alto desempenho das novas fresas de metal duro da Dormer. Desenvolvidas principalmente para alta remoção de metais, semi-desbaste, semi-acabamento e acabamento em aços, todas incorporam o exclusivo conceito Dormer de hélice desigual.

O principal benefício desse recurso é que ele proporciona à operação de fresamento um grau muito maior de estabilidade. Resistência à “trepidação” e redução à vibração da ferramenta promovem uma operação controlada e estável, acabamento superior no componente, menor desgaste e quebra nas máquinas e melhor vida útil. 

Conseqüentemente, as taxas de remoção de metal podem ser aumentadas consideravelmente, enquanto maiores profundidades de corte axial e radial podem ser obtidas com altos parâmetros de corte. 

Disponível em comprimentos de corte médios (S250 e S252) ou longos (S254 e S255) e com uma escolha de hastes cilíndricas ou Weldon para aumentar o campo de aplicação, a gama abrange não apenas máquinas de nova geração, mas também permite que o desempenho das máquinas de geração mais velha seja plenamente explorado. 

A nova fresa para desbaste (S335) amplia ainda mais a abrangência das aplicações. Além do ângulo de hélice desigual, que incorpora um quebrador assimétrico de cavacos especial HRA para reduzir a concentração de tensão no ponto mais crítico do perfil. Dentes extremamente afiados melhoram o desempenho, especialmente em operações de mergulho e interpolação helicoidal, e um tratamento especial de arredondamento reduz o lascamento. 

Todas as fresas se beneficiam da cobertura Super-G (Nitreto de Cromo Alumínio) de resistência ao desgaste e reduzido problemas de lascamento nas arestas de corte, com subseqüentes benefícios à vida útil da ferramenta e a produtividade. 

Tópicos:



Comentários