Feira do Inventor traz soluções simples para os problemas cotidianos

Fotos: CIMM

Inovação é a palavra em alta na indústria. Com a crise, inovar foi a solução para fazer o mercado reagir. Até um dos homens mais influentes do mundo, Barak Obama, investiu em inovação como estratégia para reerguer os Estados Unidos.

O que a princípio parece loucura, ou algo muito simples para ser funcional, ou ainda uma engenhoca no estilo Professor Pardal, pode ser um invento consistente. Com pequenas modificações - ou apenas algum investimento - é possível transformar patentes em produtos rentáveis. E é isso que se vê na Feira do Inventor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

A feira é promovida pelo Departamento de Inovação Tecnológica da universidade e estreia este ano na Semana de Ensino Pesquisa e Extensão(Sepex) da universidade. Os visitantes podem conferir os 31 inventos, divididos em duas partes: inventores da UFSC e inventores independentes.

Caixa Ecológica
Logo no primeiro estande, um senhor prontamente explica para um, dois, dez visitantes como funciona o seu invento. A Caixa Ecológica substitui a boca-de-lobo das calçadas. A vazão de água é estimada em 1000 litros por minuto, por meio de um sistema igual ao da descarga do vaso sanitário. Isso impede que a água do esgoto transborde e volte para a rua, sujando e causando doenças. 

Como a pressão da água é muito forte, os entupimentos também são raros. Se houver algum, o local do entupimento é facilmente detectado. Ao menos é o que garante Ormíndio da Silva, de 83 anos. "Eu não inventei isso pra mim, porquê já deu o meu tempo. Isso é pra vocês, é pra próximas gerações."

Dessalinizador de água
Outro estande bastante frequentado é o de Eulógio Martinez. Foi na praia que o médico teve um insight. Ele se perguntava por que não tirar o sal da água evaporando, da maneira mais simples e barata. O primeiro desenho foi na areia mesmo. Como a especialidade de Matinez é otorrinolaringologia - médico de nariz, garganta e ouvido -, ele não tinha certeza se os desenhos que foi desenvolvendo depois funcionariam ou se eram uma loucura, como acusavam suas irmãs de São Paulo.

Em uma pós-graduação, o médico encontrou um engenheiro da CASAN (empresa responsável pelo abastecimento de água em Florianópolis). O engenheiro confirmou que o invento estava correto e que daria certo. O produto foi patenteado há quase um ano. Agora, Martinez procura parceiros para produzir ou vender o experimento, seja pela universidade ou por empresários. "Eu não tenho dinheiro nem tempo para me dedicar", alega Martinez. Uma das aplicações pensadas por ele é que o dessalinizador faça parte de um kit de sobrevivência, por exemplo.

Solda segura
Já os bolsistas do Labsolda (Laboratório de Soldagem da UFSC), levaram o Tartílope V2 para a feira. O robô de solda tem dois eixos  e já foi usado pela Tractebel Energia para fazer soldas de recuperação em turbinas hidroelétricas. A utilização desse robô trouxe mais segurança ao processo, afinal antes os soldadores ficavam entre as pás da turbina para fazer a soldagem.

E a invenção não parou por aí. O projeto já está na versão Tartílope V4, com quatro eixos de movimentação, usado na indústria de petroleo. O último não foi levado para a Feira do Inventor, mas estava na SEPEX, no estande do laboratório.

Inovador e sustentável
Outro projeto inovador que estava no estande do Laboratório de Inovação da SEPEX é um automóvel compacto, ainda sem nome. Ainda em fase de projeto, o carro é um triciclo. Com menos comprimento e metade do peso dos compactos existentes na Europa, o carro poluiria menos e iria facilitar a locomoção na cidade. A estabilidade é garantida por um amortecedor  amortecedor magnético, controlado eletronicamente, em tempo real, avaliando a variação do terreno.

O projeto também controla a rotação do motor para uma queima de combustível ideal, lançando menos poluentes no ar. Com lugar para duas pessoas, os cálculos indicam que o automóvel alcançaria 100 km/h.

A Sepex faz parte da Semana Nacional de Ciêncial e Tecnologia, promovida pelo MCT e vai até sábado, 24 de outubro.

Tópicos:



Comentários