Revestimento de níquel químico aumenta a fricção dos sistemas de acoplamento

Fotos: Divulgação


Os engenheiros são constantemente postos à prova para o projeto de sistemas capazes de responder a demandas cada vez mais severas ao mesmo tempo em que o produto resultante tem que ser economicamente viável, de fácil produção e confiável.

No caso de sistemas de acoplamento, para cálculo da capacidade transmissão de torque, tem que ser considerados o coeficiente de fricção dos materiais em contato, a pressão aplicada na junção e o tamanho da área de contato. Cada material tem limites físicos academicamente estabelecidos para o coeficiente de fricção e cargas que suportam, restando o inconveniente tamanho do conjunto caso se queira aumentar a transmissão da densidade de forças do acoplamento.

Pode-se, entretanto, aumentar o coeficiente de fricção estática dos materiais bem acima do enunciado por Coulomb.  Uma das soluções é o EKagrip®, um revestimento revestimento baseado em níquel químico com dispersão de partículas micrométricas de diamantes.

Na forma de finas lâminas metálicas de até 2mm de espessura, com diamantes de até 20µm, quando montadas entre componentes de um acoplamento, os diamantes encravam na contra peça criando uma ancoragem mecânica em microescala. O encravamento pode até triplicar o coeficiente de fricção estática das superfícies dos componentes do acoplamento, permitindo até 300% maior transmissão de forças (torque) sem que ocorra qualquer movimento relativo destes componentes.

O revestimento já foi aplicado no setor automotivo, nas máquinas-feramenta manuais e nos grandes equipamentos da indústria de papel e celulose, mineração, nos geradores eólicos e de hidroelétricas, nos sistemas de transmissão de forças náutico, ferroviário e industrial em geral.

Saiba mais sobre a Sealine no CIMM.
Tópicos:



Comentários