Programa federal beneficia 1,9 mil novas empresas


Voltado para empresas com até dois anos de existência, o Programa Primeira Empresa Inovadora (Prime) começa a ser operado em todo o País com o lançamento dos 17 editais regionais nesta quinta-feira (5), no auditório Rio Data Center da Pontifícia Universidade Católica (PUC), no Rio de Janeiro.

Cerca de 1900 empreendimentos inovadores nascentes devem ser selecionados para receber R$ 120 mil cada um em forma de subvenção econômica, ou seja, recursos não reembolsáveis. Ao todo, serão disponibilizados cerca de R$ 230 milhões este ano.

Compareceram a solenidade o ministro de Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, o presidente da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep/MCT), Luis Fernandes, e o reitor da PUC, padre Jesus Hortal Sanchez.
 
Participação

Os interessados em se candidatar aos recursos do programa pode escolher uma entre as 17 incubadoras-âncora, que atuarão como os agentes financeiros da Finep nos estados para a apresentação de suas propostas.

Essa primeira etapa do financiamento, de R$ 120 mil, pode ser utilizada para apoio ao empreendedor e gestor do negócio e, ainda, para a contratação de consultorias de mercado em áreas de gestão consideradas relevantes para a empresa, como recursos humanos, propriedade intelectual, formulação estratégica e inovação.

Caso o empreendedor cumpra as metas definidas no projeto, ele terá direito a mais R$ 120 mil em 2010. Neste caso, os recursos são do Juro Zero e terão que ser pagos em até 100 parcelas sem juros.

A meta do programa é ajudar na estruturação de planos de negócio e no desenvolvimento de novos produtos e serviços. Em quatro anos, a estimativa da Finep é investir R$ 1,3 bilhão em cinco mil empresas. “Não existe limite geográfico, uma empresa de Santa Catarina poderá inscrever o seu projeto em Pernambuco, por exemplo, se assim o desejar”, afirma a superintendente da Área de Pequenas Empresas Inovadoras, Gina Paladino.

O edital é único para todo o País, mas cabe a cada incubadora a análise, seleção das propostas e repasse direto da verba estatal.

Segundo Gina, as 17 incubadoras-âncora vão operar com recursos diferenciados, entre R$ 9 milhões e R$ 14,4 milhões, que já foram liberados quase que integralmente pela Finep. No cálculo, foram levadas em consideração as estimativas de demanda local apresentadas pelas instituições parceiras. A maioria, no entanto, receberá o maior valor. Inicialmente, eram 18 as incubadoras-âncora selecionadas para o operar o Prime. A Incamp, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), foi excluída por não apresentar a documentação no tempo previsto.

Qualquer empresa está apta a participar do Prime, desde que desenvolva atividades com conteúdo tecnológico e disponha de um produto viável economicamente. A meta do Programa é trabalhar para o desenvolvimento regional, a inovação tecnológica e a ascensão das pequenas empresas inovadoras do País.

As 17 incubadoras-âncora são: Cietec (SP), Fipase (SP), FVE/Univap (SP), Biominas (MG), Fumsoft (MG), Inatel (MG), Coppe/UFRJ (RJ), InstitutoGênesis (RJ), BioRio (RJ), Celta (SC), InstitutoGene (SC), PUC/Raiar (RS), Faurgs/CEI (RS), Cide (AM), Parque Tecnológico da Paraíba (PB), Cesar (PE) e Cise (SE).
Tópicos:
  



Comentários