Projeto ajuda na redução de CO2

Fonte: Jornal do Meio Ambiente - 09/04/07

Pesquisadores de ONG criam aquecedor solar de baixo custo para substituir eletricidade no aquecimento da água do chuveiro | Possibilitar o banho quente a famílias de baixa renda e reduzir os gastos com a energia elétrica por meio de uma opção ecologicamente correta. Foi isso que motivou os integrantes da ONG Sociedade do Sol (SoSol), sediada no Centro Incubador de Empresas Tecnológicas da Universidade de São Paulo (Cietec/USP), a desenvolverem um Aquecedor Solar de Baixo Custo (ASBC).

O aquecedor é, na verdade, um sistema simples e barato que é formado por um reservatório de 250 litros (que pode ser a caixa-d" água) com isolamento térmico; coletores de água (feitos com forro de PVC); chuveiro elétrico com misturador e tubos comuns de PVC. Os coletores de PVC aquecem a água que vem fria. Esta, portanto, fica menos densa que a do reservatório que empurra a água quente novamente para outra saída direta na caixa-d"água. "Tem início, então, um processo de circulação natural chamado termossifão", explica o engenheiro Augustin T. Woelz, coordenador do projeto.

As pesquisas desse modelo de aquecedor de baixo custo da Sociedade do Sol começaram há mais de 15 anos. "Já tínhamos um modelo desde 1991. Mas foi em 1992, que, a convite do Sebrae, participamos da Eco-92 buscando desenvolver um aquecedor que fosse acessível para toda a população", conta. Em 1999, a empresa entrou para o Cietec e teve um novo fôlego na pesquisa até que, em 2002, pesquisadores conseguiram chegar na tecnologia ideal.

Na opinião de Augustin, essa tecnologia é democratizante e pode ser o primeiro passo para regularizar a distribuição de energia elétrica do País e solucionar o problema dos gatos. "Com esse sistema, o cidadão comum não vai precisar pagar conta de eletricidade para tomar banho quente. O sol vai facilitar tudo", afirma o engenheiro.

A Sociedade do Sol não fabrica nem vende o aquecedor, apenas disponibiliza o manual e auxilia as pessoas que querem fazê-lo. O custo máximo para fazer tudo é R$ 350. "Mas é possível gastar menos ou até nada, pois muitos materiais são encontrados no lixo", completa.

BENEFÍCIOS SÃO AMBIENTAIS E ECONÔMICOS

Cada kWh que deixa de ser consumido no chuveiro elétrico leva à redução de emissão de aproximadamente 0,6 kg de gás carbônico, CO2, nas novas usinas termoelétricas acionadas por gás natural no Brasil, aproximadamente 40 milhões de famílias utilizam os chuveiros elétricos, que são responsáveis por 10% da demanda nacional de energia.

Se todas essas famílias utilizassem a energia solar para aquecer a água do banho, haveria redução de cerca de 21.640.000 toneladas nas emissões de CO2, por ano na conta de luz, cada família poderia economizar, em média, R$ 388 ao ano.



Comentários