Setor de autopeças fatura com aumento da produção de motores

Foto: Divulgação

O otimismo do setor de autopeças não é concentrado apenas na produção de automóveis, mas também na de motores, que deverá chegar a 3,768 milhões de unidades neste ano. Nas estimativas do Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças), até 2012 o Brasil terá potencial para produzir 5,074 milhões de motores e 4,624 milhões de veículos.

De acordo com o coordenador da Comissão de Forecast do Sindipeças, Bruno Serra, o crescimento da produção de propulsores, além do ponto de vista econômico, é positiva para o alinhamento tecnológico com outros produtores e gera competência na engenharia local.

Somente no primeiro semestre deste ano, o setor de autopeças aponta para crescimento de 13,1% do faturamento sobre o mesmo período de 2007. Segundo dados parciais do Sindipeças divulgados na terça-feira (12), o principal segmento de mercado continua sendo as montadoras, com participação de 69% no faturamento, seguido por exportação (14%), reposição (12%) e intersetorial, quando um fabricante de autopeças vende para outro (5%).


A Fiat comprou a Tritec Motors (PR) para ampliar a produção de motores

Investimentos

Para atender a demanda produtiva, as empresas têm investido fortemente na ampliação da capacidade. As duas principais entidades que representam o setor, o Sindipeças e a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), apontam para um montante de US$ 20 bilhões em investimentos previstos para o intervalo de 2008 a 2010.

Apenas em motores, neste ano foram US$ 80 milhões do acordo entre a MWM International e a General Motors para propulsores a diesel; R$ 130 milhões da Honda para o novo setor de Power Train da fábrica de Sumaré (SP); R$ 123 milhões da Volkswagen para a ampliação da fábrica de São Carlos (SP); R$ 600 milhões da Ford para a ampliação do complexo industrial de Taubaté (SP) e a fabricação de motores de última geração; R$ 350 milhões na fábrica da General Motors em Joinville (SC); e R$ 250 milhões na compra da fábrica de motores Tritec Motors, da norte-americana Chrysler, pela Fiat.
Tópicos:



Comentários