Especialista russo colabora com o Lactec na criação de novas tecnologias


O Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento (Lactec) vai contar com a ajuda de um especialista russo que irá trabalhar junto aos pesquisadores do Laboratório de Emissões Veiculares (Leme), do Departamento de Mecânica e Emissões, em novas tecnologias para a indústria automobilística.

A ida do pesquisador Dmitri Vlassov para o instituto foi financiada pela Fundação Araucária, ligada à Secretaria de Ciência e Tecnologia, pelo programa de apoio a institutos de pesquisa e instituições de ensino superior para atrair pesquisadores com competência reconhecida. Dmitri é doutor em motores de aparelhos voadores, pela High Technical School Named Bauman, em Moscou.

O projeto em que ele participará é o estudo do desempenho mecânico e geração de emissões em motores alimentados por biodiesel e misturas com óleo diesel. O trabalho é coordenado pelo pesquisador do Lactec, Renato de Arruda Penteado, doutor em Engenharia pela Universidade Federal do Paraná. O Lactec foi atendido pelo Programa de Apoio a Pesquisador Visitante, com bolsa para a permanência do especialista russo por um ano, com a possibilidade de extensão desse período por mais 12 meses.

De acordo com o assessor técnico da superintendência do Lactec, Jorge Bounassar, o conhecimento que o profissional trará aos pesquisadores paranaenses poderá ser aplicado em projetos locais de desenvolvimento tecnológico, inclusive auxiliando na formação de especialistas, mestres e doutores do corpo técnico do Lactec. Dmitri Vlassov já participa, há dois anos, de programa de estudos com a UFPR e deverá iniciar a nova etapa, com o Lactec, a partir de julho.

Projetos

O gerente do Departamento de Mecânica e Emissões do Lactec, Luiz Alberto Procopiak, afirma que a vinda do pesquisador russo vai trazer muitos benefícios aos projetos paranaenses. “Ele vai agregar conhecimento aos trabalhos que já realizamos na área de emissões em motores ciclo diesel. São projetos não só do Lactec, mas parcerias com o Tecpar e outras instituições e um estudo de emissões de gases, ainda não legislados, que estamos desenvolvendo com patrocínio da Petrobrás.” Segundo ele a experiência vai ajudar na finalização dos programas de pesquisa e desenvolvimento, com resultados muito positivos.

“Alguns gases que são emitidos pela combustão do biodiesel ainda não constam na legislação brasileira. O Lactec está iniciando nessa linha de pesquisas que tende a crescer muito, porque precisa atender a uma demanda cada vez maior dos fabricantes de motores com relação a poluentes considerando novas regulamentações e novos combustíveis”, diz o gerente.
Tópicos:
  



Comentários