Produção e emprego na indústria sobem e contrariam tendência


O volume de produção e o número de empregados da indústria cresceram no primeiro trimestre de 2008, na comparação com o quarto trimestre de 2007, contrariando a tendência histórica de arrefecimento da atividade industrial no primeiro trimestre do ano. As informações constam da Sondagem Industrial da Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgada nesta segunda-feira, 28.

Pelos dados, o indicador de produção atingiu 52,2 pontos. O crescimento da produção industrial no primeiro trimestre foi puxado, principalmente, pelas empresas de grande porte. Dos 27 setores pesquisados, 14 se situaram acima de 50 pontos. A pesquisa varia de zero a 100 pontos e valores acima de 50 pontos indicam evolução positiva da atividade.

Já o nível de utilização da capacidade instalada (Nuci) caiu de 80% no quarto trimestre de 2007 para 75% no primeiro trimestre de 2008. Segundo a CNI, historicamente o uso da capacidade instalada recua no primeiro trimestre do ano, mas a queda de cinco pontos porcentuais superou a registrada no primeiro trimestre de 2007 em relação ao quarto trimestre de 2006, de três pontos.

A CNI, no entanto, avalia que a elevação do Nuci em dois pontos porcentuais no primeiro trimestre de 2008 - no mesmo período do ano passado ele estava em 73% - mostra o bom momento da atividade industrial neste início de ano.

As grandes empresas registraram um nível de utilização da capacidade maior do que a média. Atingiram 81% da capacidade instalada no primeiro trimestre, enquanto que as médias empresas utilizaram 73% do parque industrial e as pequenas, 70%.

O gerente da Unidade de Pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Renato Fonseca, avaliou que a queda na utilização da capacidade instalada no primeiro trimestre de 2008 e o aumento da produção e do emprego no mesmo período significam que houve um aumento na capacidade produtiva da indústria.

Segundo ele, os investimentos realizados em 2006 e 2007 estão maturando agora, o que garantiu o aumento da produção sem pressionar a capacidade instalada. Ele disse acreditar que mesmo com o aumento da taxa básica de juros na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), fato que a pesquisa sondagem industrial ainda não captou, a indústria deve continuar aumentando a produção e o emprego no segundo trimestre de 2008.

"As projeções ainda são positivas. Há um crescimento forte da demanda e a previsão de que a economia vá continuar crescendo", declarou Renato Fonseca.

Exportações

A Sondagem Industrial registrou ainda, pela quinta vez consecutiva, expectativa de queda nas exportações da indústria para os próximos seis meses. Segundo a CNI, o indicador ficou em 48,1 pontos em abril , ante 48,5 pontos em janeiro. Valores abaixo de 50 pontos indicam expectativas negativas dos empresários.

Por outro lado, a pesquisa mostra que os empresários continuam otimistas em relação ao mercado doméstico. O indicador que mostra a expectativa em relação ao aumento da demanda para os próximos seis meses cresceu de 59,4 pontos em janeiro para 62,1 pontos em abril.

A Sondagem Industrial ouviu 1.490 empresas no período de 31 de março a 23 de abril. O indicador varia de zero a cem pontos. Valores acima de 50 pontos indicam evolução ou expectativa positiva.
Tópicos:



Comentários