Cresce 20% o número de empresas no Espírito Santo


O número de empresas registradas no Espírito Santo nos três primeiros meses de 2008 cresceu mais de 20%, se comparado o volume de registro com o mesmo período do ano passado. No total, em janeiro, fevereiro e março, foram criadas mais de 2,7 mil novas empresas, com destaque para os micros e pequenos empreendimentos, que representam mais de 90% de toda a movimentação do registro mercantil no Estado.

Em 2007 foram registradas 2,29 mil empresas nos três primeiros meses do ano. No mesmo período, este ano, o número cresceu para 2.766, sendo que 1.665 são empresas limitadas, normalmente constituídas por pequenos empresários. Os números se completam com os registros de sociedade empresária (empresa individual), sociedades anônimas e cooperativas.

A previsão da Junta Comercial do Estado do Espírito Santo é que neste ano sejam registradas mais de 12 mil empresas, fechando o ano com um crescimento acima de 10% em relação a 2007. "Se o desempenho do registro se mantiver nestes mesmos níveis, vamos ter um crescimento maior do que os 10% projetados inicialmente", afirma o gerente de Registro, Valtemir Figueiredo.

"Com maior facilidade para o empreendedor, que constitui seu negócio de forma rápida, e devido ao desenvolvimento do Estado, o número de registros vem crescendo ano a ano", afirma o presidente da Junta, Marcelo Zanuncio Gonçalves, lembrando que, na verdade, as novas empresas estão atendendo necessidades de mercado criado pelos novos empreendimentos que estão sendo implantados no Estado.

Marcelo Gonçalves lembra que um levantamento feito pelo Departamento Nacional de Registro do Comércio, do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, mostra que o prazo médio para a abertura de uma empresa no Espírito Santo é a metade do que o brasileiro. Os números do DNRC falam em 23 dias, enquanto a média capixaba é de 11. Nos dois casos, os números referem-se às pequenas e micro empresas, cujo processo de registro é acelerado e tem prioridade.

Controle permanente


A Junta Comercial, a partir do início do Governo Paulo Hartung, passou por uma completa reformulação. Seu prédio, um marco da arquitetura, em Vitória, foi todo reformado e as instalações renovadas, oferecendo conforto aos servidores e aos usuários de seus serviços. A autarquia investiu em tecnologia de informação, colocando todos os serviços on-line e, agora, caminha para oferecer vários deles pela Internet, com certificação digital que garanta sua autenticidade.

A modernização trouxe, também, controle de todos os processos, que são medidos, estabelecendo um programa de melhoria constante. Uma das medições é do tempo em que o usuário leva para ser atendido, a partir de sua chegada nas instalações da Junta Comercial, que hoje é de três minutos, mesmo diariamente sendo feito mais de 700 diferentes atendimentos.

A Junta está, também, ampliando seus serviços no interior do Espírito Santo. Primeiro, foi a inauguração da Central Fácil em Cachoeiro de Itapemirim e Colatina. Depois, com a implantação de um posto de recepção de documentos em São Mateus. Neste ano, os escritórios de Cachoeiro e Colatina serão modernizados e novos postos de recepção de documentos serão abertos em parceria com as Câmaras de Dirigentes Lojistas. O próximo será em Nova Venécia.



Comentários