Radiação ultravioleta é eficaz no tratamento de fluidos de corte

Ecologicamente correta, alternativa age ativamente sobre microorganismos

Fotos: Divulgação

Elementos de extrema importância nos processos de usinagem e retificação, os fluidos de corte são substâncias que, aplicadas na ferramenta e no material, facilitam a operação de corte. Encontrados na forma líquida (óleos e emulsões), gás e até mesmo sólida, os fluidos têm duas funções principais na usinagem: reduzir o atrito entre a ferramenta e a superfície de corte (lubrificação) e diminuir a temperatura na região de corte (refrigeração).

De uso mais comum nas indústrias, as emulsões constituem-se de um sistema água/óleo que alcança os objetivos de lubrificação e refrigeração desejados, mas, em contrapartida, são considerados um ambiente propício à manutenção e reprodução de microorganismos.

A presença de microorganismos nos fluidos de corte altera suas propriedades, diminui a vida útil da substância com conseqüente necessidade de descarte, tarefa esta que requer cuidados especiais e custos à indústria, pois se trata de um potente poluidor ambiental. Além disso, a presença microbiana apresenta riscos à saúde dos trabalhadores, como infecções dermatológicas e respiratórias.

Buscando as melhores maneiras de controlar o crescimento microbiano nos fluidos de corte, um estudo realizado na Unesp de Bauru-SP, com o apoio do Instituto Fábrica do Milênio, mostra que a radiação ultravioleta possui uma poderosa ação sobre microorganismos, se tornando uma alternativa viável para o tratamento dos fluidos.

Para o estudo, o Laboratório de Usinagem por Abrasão da Faculdade de Engenharia – Unesp/Bauru, construiu um reservatório possuindo um tampo com 12 lâmpadas ultravioleta germicidas instaladas. Este reservatório foi acoplado a uma máquina retificadora cilíndrica externa e interna.

 
Vista interna do sistema emissor de radiação ultravioleta e lâmpadas germicidas

Vista lateral do reservatório e tampo com as janelas de observação e inspeção

O sistema permitiu que os raios emitidos pelas lâmpadas fossem direcionados exclusivamente para o interior do depósito de fluido de corte atingindo, assim, os microorganismos contaminadores.

O estudo foi realizado durante 30 dias de avaliação e constitui-se em importante alternativa para os processos de usinagem e retificação. A radiação ultravioleta atuou inativando os microorganismos por ação direta, impedindo sua concentração, sem provocar qualquer alteração nas propriedades do fluido de corte e com total segurança para os trabalhadores.

Desenvolvimento de UFC’s (unidades formadoras de colônias) em meio de cultura em amostras de fluido de corte submetido a ação da luz ultravioleta (em vermelho) e não submetido a essa radiação (em azul)

Atualmente, os métodos mais utilizados no combate ao crescimento microbiano nestas emulsões envolvem o uso de biocidas. Eficaz sobre microorganismos, a ação do biocida querer aplicações em altas concentrações, que podem provocar reações alérgicas nos operadores das máquinas. Além disso, o princípio ativo dos principais biocidas é o formoldeído, substância que se suspeita possuir ação cancerígena.

“Este é o método mais tradicional e conhecido. Nossa proposta é nova e precisa ser divulgada nas indústrias. Por ser muito recente, ainda não temos o custo desta aplicação, mas se pensarmos em meio ambiente, é ecologicamente mais correta”, acrescenta o Prof. Dr. Eduardo Carlos Bianchi, coordenador do estudo.

O estudo teve o apoio da Fapesp e o registro da patente foi financiado pelo Instituto Fábrica do Milênio.

Tópicos:



Comentários