Política industrial prevê R$ 251 bi para 24 setores


A nova política industrial que o governo vai anunciar nos próximos dias, batizada de Política de Desenvolvimento Produtivo, prevê investimento de R$ 251,6 bilhões em 24 setores da economia entre 2008 e 2010. Desse total, R$ 210,4 bilhões virão do BNDES e do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC). O governo também estuda medidas de desoneração tributária e de depreciação acelerada de investimentos.

A primeira meta, segundo documento obtido pelo Valor, é ampliar a taxa de investimento da economia, medida pela Formação Bruta de Capital Fixo, de 18,6% para 21% do PIB até 2010. Isto é, nesse ano a economia estará investindo cerca de R$ 604 bilhões - em 2006, foram R$ 390 bilhões. A segunda meta é incentivar o aumento, de 0,51% para 0,65% do PIB, dos gastos do setor privado com pesquisa e desenvolvimento (P&D). Em 2005, as empresas investiram R$ 12,5 bilhões - em 2010 aplicariam cerca de R$ 18,2 bilhões.

A terceira meta é aumentar de 1,15% para 1,25% a participação do Brasil nas exportações mundiais, o que levaria as vendas anuais a saltar de US$ 160,6 bilhões, em 2007, para US$ 208,8 bilhões daqui a dois anos. O ritmo de expansão previsto é de 11% ao ano, abaixo do registrado nos últimos anos.

O governo decidiu dividir os 24 setores com três tipos de abordagem. No primeiro, estão os programas "mobilizadores em áreas estratégicas" - saúde, energia, tecnologias de informação e comunicação, defesa, nanotecnologia e biotecnologia.

No segundo, "programas para fortalecer a competitividade", com 12 áreas: complexo automotivo; bens de capital seriados; bens de capital sob encomenda; têxtil e confecções; madeira e móveis; higiene e perfumaria; construção civil; complexo de serviços; indústria naval e de cabotagem; couro calçados e artefatos; agroindústria e plásticos.

No terceiro grupo, estão os "programas para consolidar e expandir a liderança" de setores onde o Brasil já é forte: aeronáutico, mineração, siderurgia, papel e celulose, petroquímica e carnes.
Tópicos:
     



Comentários