Potencial atrai investidor a Santa Catarina


O arrendamento do porto de Imbituba pela Wedélia, subsidiária da Santos Brasil Participações, vai impulsionar a economia da região Sul de Santa Catarina e dotar o estado com o status de um dos mais bem servidos de portos no Brasil. Santa Catarina acaba de ganhar um novo porto, em Navegantes, no final do ano passado, do grupo Portonave, cujo investimento privado foi de R$ 423 milhões.

Em 2009, está prevista a entrada em operação do porto de Itapoá, também privado, com investimentos de R$ R$ 350 milhões. Somados a São Francisco do Sul e Itajaí, Santa Catarina terá cinco portos. Apesar do fluxo intenso de investimentos neste setor, o consultor portuário, Gilberto Barreto, estima que dentro de cinco anos, a capacidade portuária estará totalmente ocupada.

O porto de Imbituba sempre viveu às sombras da sua áurea época de principal expoente na movimentação de carvão. Com a redução das alíquotas de importação e a retirada do subsídio à extração do minério, em 1990, uma tormenta se abateu sobre o porto, que, desde então, não conseguiu mais alcançar o limite da sua capacidade total de movimentação, de quatro milhões de toneladas/ano.

Com destaque nas importações de fertilizantes, coque, milho, sal e barrilha e nas exportações de congelados, açúcar e contêineres, Imbituba movimentou, no ano passado, 1,46 milhão de toneladas, menos do que o registrado em 2006, que foi de 1,47 milhão de toneladas. Deste total, 1 milhão de toneladas foi importação.

Das compras, 399,86 mil toneladas foram de coque, com participação de 39,85%, seguido dos contêineres 12,52%, de fertilizantes, com 10,88% e trigo (10,17%). As exportações responderam por 464,38 mil toneladas, sendo que os contêineres representaram 105,81 mil toneladas 27,47%, o sal 18,83% e congelados 17,66%.

"Pode-se estar ainda longe das 4,11 milhões de toneladas obtidas na época áurea do carvão, mas com a emergente atração de novos investidores e parceiros pode-se vislumbrar um futuro promissor para o porto de Imbituba nos próximos anos", diz Barreto. A configuração atual do cais acostável e do pátio disponível permite movimentação de até 150 mil TEUs/ano.

Segundo Barreto, há um grande potencial de captação de cargas em Santa Catarina, e no norte do Rio Grande do Sul, de cargas refrigeradas (frangos, suínos e frutas), móveis e produtos industrializados de madeira, produtos da indústria metal-mecânica e de máquinas, cerâmica e fumo.

O plano de expansão da Santos Brasil contempla a extensão do atual cais acostável, sendo possível a construção de mais um berço, que, aliada à utilização parcial de berço público já existente, eleva a capacidade do porto para cerca de 950.000 TEU/ano. Para tanto, o programa de investimento, incluindo a aquisição de equipamentos, está orçado em R$ 283 milhões. O projeto contempla uma expectativa de movimentação de 570.000 TEU/ano em 2013 (360.000 contêineres).

Situado no centro sul do litoral do estado de Santa Catarina, Imbituba foi construído em uma enseada aberta ao mar, possuindo águas abrigadas e profundas. Sua bacia de evolução tem condição de profundidade e dimensões. O canal de acesso ao porto é igualmente profundo, permitindo a navegação de navios de grande porte a qualquer hora do dia e da noite. Possui grande capacidade de crescimento devido ao tamanho de sua retaguarda. Atualmente conta com quatro berços de atracação com 9,5m de calado cada um.

O porto está ligado à BR 101 por rodovia pavimentada, distante sete quilômetros. Atualmente, a BR 101 permite o tráfego de caminhões sem interrupção ou congestionamento, sendo que obras de duplicação na região estão em fase final.

Adicionalmente, o porto foi beneficiado com a inauguração, em dezembro de 2007, da rodovia Rota do Sol, que permite o fluxo da carga oriunda do norte do estado do Rio Grande do Sul até o litoral sul de Santa Catarina sem a necessidade, até então existente, de cruzar a região urbana de Porto Alegre, assim reduzindo o percurso em quase 100 quilômetros.
Tópicos:
  



Comentários