Gerdau quer gerar energia no Paraná a partir de 2011


Apesar dos entraves ambientais que paralisaram os projetos hidrelétricos no Paraná, a Gerdau S/A quer gerar energia no estado a partir do início de 2011. Na última sexta-feira, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) transferiu para o grupo gaúcho a concessão para a construção e operação do complexo hidrelétrico São João-Cachoeirinha, que pertencia à empresa paulista Enterpa Energia S/A. As negociações para a compra da concessão começaram há oito meses.

A Gerdau não informou o valor da transação, mas diz que vai investir US$ 173 milhões (cerca de R$ 300 milhões) na construção das usinas. Planejado para o Rio Chopim, o complexo será formado por duas hidrelétricas de pequeno porte que somam 105 megawatts (MW) - São João (60 MW) e Cachoeirinha (45 MW) -, potência capaz de abastecer uma cidade com aproximadamente 300 mil habitantes.

Onde fica? (Clique para ver).

Os planos da Gerdau, no entanto, já estão atrasados. Em junho de 2007, quando comunicou o mercado sobre as negociações, a empresa informou que pretendia construir o complexo a partir de janeiro. Como só recebeu a concessão agora, dificilmente dará início às obras antes de março.

Há outro detalhe, que não depende da agilidade da Aneel ou da Gerdau. À exceção de algumas usinas pleiteadas pela estatal Copel, os projetos hidrelétricos do Paraná estão com seus processos de licenciamento ambiental parados há quase cinco anos. Sob o pretexto de concluir o Zoneamento Ecológico-Econômico do estado, o governo estadual interrompeu as análises, o que prejudicou empresas privadas que já haviam recebido a outorga (autorização) da Aneel para a construir e operar usinas.

A própria Enterpa detinha a concessão para construir o complexo São João-Cachoeirinha desde abril de 2002. Como o licenciamento foi interrompido no ano seguinte, a empresa engavetou o projeto.

Representante das companhias privadas, a Associação Paranaense de Geradores de Energia (APGE) estima que haja 35 projetos de pequenas centrais hidrelétricas (PCHs) à espera da liberação do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), responsável pelo licenciamento.

Até mesmo a usina de Mauá, hidrelétrica de médio porte (362 MW) que será construída por um consórcio formado por duas estatais (Copel e Eletrosul), tem dificuldade para sair do papel. A Justiça Federal de Londrina determinou que a usina só poderá ser erguida depois de concluída uma avaliação ambiental integrada, que englobe toda a bacia do Rio Tibagi. As obras, antes previstas para novembro, não têm data para começar.

Perfil


Se concretizado, o complexo São João-Cachoeirinha será o primeiro empreendimento de geração de energia da Gerdau no Paraná – hoje, a empresa tem uma siderúrgica em Araucária e uma unidade de corte e dobra de aço em Curitiba.

No setor elétrico, opera a usina de Dona Francisca, no Rio Grande do Sul (125 MW), cuja energia é vendida ao mercado regulado. A companhia também vai construir duas hidrelétricas com potência total de 155 MW, em Aparecida de Goiás (GO), que vão fornecer energia para a própria empresa.



Comentários