MG planeja centro de bioenergia de US$ 100 milhões

O governo de Minas Gerais pretende criar um centro de bioenergia, um projeto orçado em US$ 100 milhões que já está em análise pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). A idéia é construir quatro plataformas de produção de bioenergia: uma de etanol, no Triângulo Mineiro; uma de biodiesel, no norte do Estado; uma de carvão vegetal, no Vale do Aço, onde estão concentradas as siderúrgicas mineiras; e outra de biogás a partir de biomassa, em local ainda não definido.

A informação foi divulgada pelo coordenador do programa de Energia da secretaria estadual de Ciência e Tecnologia, Marcelo Franco. Segundo ele, a expectativa do governo mineiro é de que o BID aprove a liberação de recursos para o projeto ainda este ano.

Após a aprovação do projeto, técnicos no banco passariam a trabalhar em parceria com técnicos do governo estadual na elaboração do projeto executivo e no planejamento da licitação. O coordenador não informou detalhes do projeto, como o regime de funcionamento das plataformas.

Segundo Franco, o centro de bioenergia faz parte dos esforços do governo estadual para aumentar o potencial mineiro de produção de bioenergia. No último ano, inúmeros projetos foram anunciados no Estado, principalmente de etanol e biodiesel. Só no Triângulo Mineiro, 20 novas usinas de álcool serão instaladas até 2012, com investimentos que somam US$ 5 bilhões. Outras 35 usinas já estão em operação na região.

No norte do Estado, diferentes grupos - entre eles Promobarna e Sada - estão investindo na produção de biodiesel. Só a Petrobras aplica R$ 75 milhões em uma usina de biodiesel em Montes Claros. A partir do segundo semestre, o combustível abastecerá indústrias do norte de Minas e também do Sul da Bahia.

Além de trabalhar na atração de investimentos do setor privado em bionergia, Franco informa que o Estado pretende ampliar os aportes no fomento de pesquisas. Segundo ele, até abril, a secretaria de Ciência e Tecnologia deverá lançar um edital de R$ 4 milhões para apoio a pesquisas de ponta na área do etanol.

Desde 1º de janeiro, todo o diesel comercializado no país passou a contar com a mistura de 2% de biodiesel. A determinação do governo deverá criar, neste ano, um mercado de 800 milhões de litros de biodiesel. A partir de 2013, a adição de biodiesel subirá para 5%.



Comentários