Governo quer criar 1,2 mil centros de tecnologia até 2010

O ministro da Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende, anunciou nesta terça-feira (18/12) que o governo vai implantar 1,2 mil centros de vocação tecnológica (CVTs) em todo o país até 2010. A meta foi estabelecida no 4º Caderno de Altos Estudos - Capacitação Tecnológica da População, lançado pelo Conselho de Altos Estudos e Avaliação Tecnológica, na Câmara dos Deputados. O estudo apresenta as ações bem sucedidas de capacitação tecnológica no Brasil.

A proposta cria um fundo específico, com recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e de 5% dos recursos do Fundo Nacional de Ciência e Tecnologia (FNDCT), para financiar programas de inclusão digital e capacitação tecnológica da população de baixa renda.

Rezende afirmou que o governo Lula está comprometido com a capacitação tecnológica e "abraçou" ações para levar conhecimento à população de maneira mais abrangente. Ele ponderou que o sucesso do programa depende de parceria com os estados e citou como modelo a política de capacitação tecnológica desenvolvida pelo ministério em parceria com o governo de Minas, que se comprometeu a investir R$ 1 para cada R$ 1 aplicado pelo governo federal.

Segundo ele, no estado existem 120 CVTs em implantação, graças, em parte, a emendas parlamentares que a bancada mineira tem destinado a essa finalidade.

O secretário de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social do Ministério da Ciência e Tecnologia, Joe Valle, anunciou que o governo vai inaugurar 100 centros de vocação tecnológica (CVTs) articulados com centros federais de educação tecnológica (Cefets) no próximo ano. "O CVT é o epicentro de uma revolução tecnológica por meio da formação das pessoas", disse.

Por sua vez, o diretor de Educação Profissional da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec), do Ministério da Educação, Getúlio Marques Ferreira, informou que, até 2010, o governo pretende entregar também 354 institutos federais de ensino tecnológico (Infets). Nesses institutos, segundo ele, será priorizada a formação técnica, que terá 50% das vagas oferecidas. Os Infets vão promover ainda a educação profissional continuada, a formação de tecnólogos e a oferta de cursos de pós-graduação em tecnologia.



Comentários