Governo e setor industrial faz parceria em prol da qualificação

O Ministério da Educação, por meio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), firmou nesta quinta-feira, 6, protocolo de intenções para ações de intercâmbio educacional no exterior, apoio a projetos de pesquisa e extensão para entidades ligadas à Confederação Nacional da Indústria (CNI).

O ministro da Educação, Fernando Haddad, e os presidentes da Capes, Jorge Guimarães, e da CNI, Armando Monteiro Neto, assinaram o acordo na sede da confederação, em Brasília.

Entidades integrantes do Sistema Indústria (CNI, Sesi, Senai, IEL) poderão implementar projetos conjuntos para o desenvolvimento de tecnologias aplicáveis à indústria e à formação de recursos humanos altamente qualificados para o setor.
As instituições poderão apresentar propostas de criação de cursos de mestrado e doutorado com foco em áreas estratégicas para a indústria brasileira.

"Temos acordos em relação a alguns princípios importantes com a CNI, sobretudo a necessidade imperiosa do aumento da escolaridade do trabalhador", afirmou o ministro. "A velha educação profissional tem que dar lugar a uma nova, integrada à escolaridade, sob pena de não prepararmos os trabalhadores para o desafio tecnológico, que já é uma realidade."

Para o ministro, o incentivo à pesquisa vai aproximar o setor produtivo da área acadêmica também com a Lei de Incentivo à Pesquisa , da Capes, que está com inscrições abertas para projetos.

Segundo o presidente da CNI, Armando Monteiro Neto, o Sistema Indústria tem como pilar fundamental a educação e a inovação. "Estreitar essa parceria entre o MEC, a Capes e o sistema vai promover programas e tecnologias sociais, sobretudo nas ações do Sesi e Senai", afirma.

As ações da cooperação serão definidas entre a Capes e entidades do Sistema Indústria. Para o presidente da Capes, Jorge Guimarães, a capacitação deste segmento é ainda proporcionalmente pequena diante dos desafios e oportunidades que o Brasil oferece. "Seguramente a cooperação não se insere só na pós-graduação, uma vez que a educação básica também é uma preocupação da Capes", diz.

O orçamento da Capes de 2008 prevê R$ 41 milhões para formação de recursos humanos nas áreas de Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior e para o Plano Nacional de Pós-Doutorado, que terá edital lançado no  dia 11 de dezembro.



Comentários