Okuma lança linha MB-V para usinagem vertical de alta performance


Continua depois da publicidade


Fonte e Foto: Assessoria da Okuma - 05/11/07

A Okuma, tradicional fabricante de máquinas operatrizes, traz ao mercado brasileiro uma nova família de centros de usinagem vertical que foi concebida especificamente para propiciar maior estabilidade dimensional e precisão. Batizada de MB-V, a nova linha é composta por equipamentos que podem ser disponibilizados em quatro tamanhos básicos, com curso no eixo X de 560mm, 760mm, 1050mm ou 1500mm. Também são oferecidos opcionais que permitem configurações de 3 eixos, 4 eixos ou 5 eixos, com ou sem trocadores automáticos de pallets.

Essa linha de máquinas permite ainda a utilização de robô ou gantry para carrregar e descarregar peças automaticamente. Entre as principais características da MB-V, destacam-se também a repetibilidade garantida em X, Y e Z de até ±1,5µm na versão standard;  avanços rápidos de 40 m/min; troca de ferramentas em até 1,2s; aceleração do spindle de 0 até 8000 rpm em 1,2s até 198Nm de torque, e rotações máximas de spindle de 6.000 rpm até 35.000 rpm.

De acordo com Alcino Bastos, gerente geral da Okuma, o projeto mecânico da linha MB-V foi realizado ao redor de uma rígida estrutura de dupla coluna (estrutura tipo portal), o que resultou em máquinas com construção sólida, balanços reduzidos, baixa inércia nos componentes móveis, estrutura termo simétrica e com uma ergonometria singular.

Outro diferencial importante da MB-V, em relação aos demais equipamentos similares disponíveis no mercado, é a tecnologia Thermo Friendly Concept, que possibilita reduzir o calor gerado pela operação da máquina, além de minimizar a deformação geométrica por projeto. “Isso é possível porque essa tecnologia permite monitorar a temperatura constantemente e o CNC utiliza algoritmos para compensar as deformações da máquina”, explica Bastos.

Este conceito construtivo foi premiado pela Sociedade dos Engenheiros Mecânicos do Japão (Japan Society of Mechanical Engineers) por ser o sistema mais preciso de compensação térmica em máquinas ferramenta. “Em termos práticos, isso significa que se ao longo do dia a temperatura oscilar aproximadamente 8 ºC, a variação dimensional da máquina chegará  a ser menor do que 8µm”, finaliza o gerente.

Mais informações clique aqui



Comentários