Árabes aumentam em 64% compras de máquinas brasileiras

Fonte: Infomet - 30/10/07

As exportações brasileiras de máquinas e equipamentos para os quatro principais compradores do mercado árabe, Emirados Árabes, Arábia Saudita, Egito e Argélia, somaram US$ 182,95 milhões de janeiro a setembro, o que representou um aumento de 64% em relação ao mesmo período do ano passado. Os dados foram divulgados ontem (25) pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq).

Entre os árabes, o país que apresentou o maior aumento nas importações do setor brasileiro foi os Emirados Árabes, com um crescimento de 145%. As vendas externas para o país saíram de US$ 31,77 milhões para US$ 77,87 milhões na comparação dos nove primeiros meses de 2006 com o mesmo período deste ano. Em seguida, foi a Arábia Saudita, com aumento de 84,8%.

Os embarques passaram de US$ 38,24 milhões para US$ 70,66 milhões. As exportações para o Egito também tiveram um salto expressivo, foram de US$ 16,67 milhões para US$ 20,89 milhões, um crescimento de 25,4%. Já as vendas externas para a Argélia caíram 45,4%, de US$ 24,74 milhões para US$ 13,5 milhões.

De acordo com o presidente da Câmara Setorial de Máquinas-Ferramentas da Abimaq, André Luiz Romi, o mercado árabe tem ganhado prioridade entre os associados. 'Nossas empresas têm procurado muito os países do Oriente Médio e vêm querendo participar cada vez mais de feiras na região', afirmou. Ele disse ainda que como algumas empresas já vêm fazendo negócios na região, dá-se maior visibilidade a esse mercado em curto e médio prazos.

No momento a entidade está dando maior ênfase ao mercado da América Latina, mas segundo o presidente da Abimaq, Luiz Aubert Neto, isso não a impede de trabalhar com outros mercados. 'Queremos transformar a Abimaq numa agência de negócios para os nossos associados. Nesse caso, o mercado árabe, principalmente, não pode ficar de fora', afirmou. A idéia da agência de negócios é buscar novos mercados, trabalhar com inovação tecnológica e formas de financiamento no mercado brasileiro. 'Vamos procurar trazer mercados para nossos associados, principalmente para os pequenos e médios, e o mercado árabe sabemos que não podemos desprezar', acrescentou.

Segundo o presidente da Agência de Promoção de Exportações e Investimentos do Brasil (Apex), Alessandro Teixeira, o mercado árabe também está entre os mercados a serem trabalhado pela entidade. 'Vem crescendo a importância do mercado do Oriente Médio, é só olharmos a expansão das nossas exportações para a região', disse.

As exportações brasileiras do setor em geral somaram US$ 7,85 bilhões de janeiro a setembro, um aumento de 27,5% em relação ao mesmo período do ano passado. Porém, o setor de máquinas e equipamentos tem um déficit de US$ 3,2 bilhões na corrente comercial. As importações este ano foram de US$ 11 bilhões contra US$ 8,16 bilhões no mesmo período de 2006.

O faturamento total do setor foi de R$ 45,5 bilhões e os segmentos que puxaram as exportações foram máquinas rodoviárias, equipamentos pesados, máquinas e equipamentos para ar comprimido e gases, equipamentos navais e off-shore, agrícolas, transmissão mecânica, bombas e motobombas.

Parceria


Na busca por novos mercados e para expandir as exportações brasileiras do setor de máquinas e equipamentos, a Abimaq e a Apex assinaram uma parceria para o desenvolvimento do Projeto Setorial Integrado, que vai render ao setor investimentos de R$ 17,2 milhões. 'Quando se pensa na pujança da economia brasileira se pensa no setor de máquinas. Esse é o maior acordo que já tivemos com o setor de máquinas até hoje, que é mais que um setor, é uma cadeia', disse Teixeira.

A iniciativa tem como objetivo aumentar as vendas externas das empresas participantes do projeto de US$ 123,5 milhões, no ano passado, para US$ 142 milhões até junho de 2010, além de incluir mais de 40 novas empresas ao projeto. Os investimentos vão ser destinados à participação de feiras no exterior, organização da vinda de importadores do setor para o Brasil, realização de missões empresariais, divulgação e fortalecimento da imagem e encontros de negócios.



Comentários