Arteche Brasil avalia Salão de Energia da Mercopar

Fonte: Assessoria de Imprensa da Mercopar - 29/10/07

Representante do grupo espanhol Arteche no Brasil, a empresa gaúcha Epcor, esteve na Mercopar - Feira de Subcontratação e Inovação Industrial - pela primeira vez como participante do salão de energia. O conglomerado espanhol tem ramificação em diversos continentes com foco expressivo no mercado global de soluções em produção energética.

Nilo Quaresma Neto, diretor-executivo da Epcor, afirmou que as duas empresas em parceria atuam no Brasil em diversas áreas relacionadas com a geração de energia convencional e renovável, notadamente, sistemas eólicos, hidroenergéticos e térmicos, tendo a Arteche como parceira. Atua também em manutenção e automação de redes. “Nosso objetivo é fazer com que as empresas consumam menos energia ao empregarem conceitos de eficiência energética”, assinalou.

Na lista de clientes da Epcor constam concessionárias de energia, indústrias de co-geração e o mercado regular. Quaresma avaliou que a Mercopar serviu como uma plataforma de prospecção para alçar novos vôos no segmento de energia. Para o empresário, o crescimento do salão de energia é natural porque a produção deste insumo ficará, cada vez mais, a cargo dos próprios empreendimentos.

Neste aspecto, ele elogiou as palestras promovidas pela Caixa RS, com parceria do Sebrae, realizadas no sentido de divulgar as alternativas disponíveis em geração e co-geração de energia. “Certamente estaremos aqui em 2008”, finalizou o diretor-executivo da Epcor.

A 16ª edição da Mercopar, que teve início dia 23 e se encerrou sexta-feira, dia 26, em Caxias do Sul, superou todas as metas estabelecidas, principalmente em relação ao volume de negócios, que fechou em cerca de R$ 65 milhões. O objetivo para 2008 é contar com maior participação de países latino-americanos, de Arranjos Produtivos Locais (APLs) de outros Estados brasileiros, estimular a adoção de energias limpas e renováveis por parte de micro e pequenas empresas e abrir espaço para o setor financeiro.



Comentários