Empresa investirá até R$ 200 milhões em nova mineradora em Uberlândia

Planta localizada na BR-050 terá potencial para ser a maior produtora de remineralizadores de solos do Brasil; cerca de 250 novos empregos diretos e indiretos serão criados.


Continua depois da publicidade


O projeto pioneiro da Prefeitura de Uberlândia (MG) para difundir o pó de basalto como principal ferramenta para a recuperação de áreas percoladas e consequente expansão da fronteira agrícola no Brasil ganhou um importante aliado. A Luvas Mineradora anunciou ao prefeito Odelmo Leão, em reunião na última quinta-feira (8), a construção de uma nova planta mineradora na cidade. Com investimentos que chegarão a até R$ 200 milhões, o empreendimento ficará localizado na BR-050, sentido Araguari (MG), e pretende gerar aproximadamente 250 empregos diretos e indiretos.

Conforme o empresário Luís Vasconcelos Borches Júnior, investidor que apresentou o plano de negócios ao Município, a mineradora será instalada em uma jazida a ser explorada, com capacidade de mais de 24 milhões de toneladas de basalto - rocha vulcânica com abundância no solo da região.

O estoque permite que o empreendimento possa produzir mais de 200 mil toneladas de um mix de produtos, como britas e areias para construção civil e obras rodoviárias, bem como o pó de basalto (remineralizador capaz de substituir adubos químicos). "No nosso plano, a previsão é de que seja construído no segundo semestre deste ano. Poderá ser a maior planta de remineralizadores do país e a maior de britagem em Uberlândia", explicou.

Por sua vez, o prefeito Odelmo Leão ressaltou a importância do novo investimento na cidade, não só no sentido de gerar desenvolvimento por meio de emprego e renda, mas também por ser mais um passo para a difusão do pó de rocha. "Esse produto será o futuro do agronegócio brasileiro. O setor tem que se preparar, de maneira sustentável, para alimentar o mundo."

O encontro também contou com a participação de representantes do Ministério da Agricultura e da empresa Campo, de Brasília (DF).




Comentários