Guerra Implementos volta a produzir no Rio Grande do Sul depois de 4 anos

O primeiro implemento rodoviário produzido pela Guerra nesta nova fase será um semirreboque graneleiro


Continua depois da publicidade


Após 4 anos fora do mercado, a Guerra Implementos retomou as atividades. A empresa foi comprada pelo Grupo I-Riedi, fomentador do setor de agronegócio e dono da Rodofort e da locadora Localiza. O Grupo arrematou a Guerra, falida em 2017, por R$ 90 milhões, em abril deste ano. Agora, a fábrica de Caxias do Sul (RS) da empresa retoma as atividades com novas entregas de implementos previstas para setembro.

“O cronograma de reativação está caminhando dentro do previsto e em breve os produtos da Guerra estarão novamente rodando pelo Brasil afora”, declarou Alves Pereira, diretor geral da Rodofort.

Hoje, a empresa conta com uma equipe de 30 pessoas para a retomada dos negócios da Guerra, no entanto, espera ultrapassar 100 colaboradores quando iniciar a produção - com trabalhadores locais.

O primeiro implemento entregue será semirreboque graneleiro e a operação será complementar à da Rodofort, de produtos pesados, como tanques e basculantes, por exemplo. A planta da Rodofort, em Sumaré (SP), manterá o foco em modelos sider, baú, porta-container e florestal.

O Grupo pretende vender 2.350 implementos rodoviários no Brasil, em 2021, e a expectativa é emplacar 250 produtos da Guerra e 2.100 da Rodofort, de acordo com a empresa.

Para essa retomada, o grupo está investindo R$ 10 milhões na operação. Segundo a empresa, isso inclui a reativação do maquinário, compra de matéria-prima, contratação e treinamento de pessoal.

De acordo com Pereira, o cronograma de reativação está sendo cumprido. “Em breve, os produtos da Guerra estarão novamente rodando pelo Brasil afora”, afirma.

*Com informações de Automotive Business e Estradão




Comentários