Fiat espera ampliar 60% da produção da planta de Betim (MG), em 2021

O Polo Automotivo da Fiat, em Betim, alcançou a marca de 15 milhões de transmissões produzidas.

O Polo Automotivo da Fiat de Betim, em Minas Gerais, acaba de alcançar a marca de 15 milhões de transmissões produzidas. Com cerca de 800 empregados, em dois turnos, a unidade é responsável pela fabricação dos câmbios C-513, que equipa a Nova Fiat Strada, Argo, Mobi, Uno, Cronos, Fiorino e Grand Siena, e C-510, presente, dentre outros, nas versões manuais do Fiat Toro e Jeep Renegade.

O marco zero da produção foi em 1976, juntamente com a inauguração do Polo Automotivo de Betim. “Estamos muito orgulhosos. É uma conquista importante, não somente pela quantidade produzida, mas também pelo crescimento de um time industrial que, ao longo desses 45 anos, tem evoluído com grande competência e engajamento”, ressalta o diretor de Manufatura da Stellantis para a América do Sul, Pierluigi Astorino.

Somente no ano passado, saíram da linha de montagem 320 mil unidades. A expectativa para este ano é de que a produção amplie 60%, ultrapassando 500 mil transmissões, grande parte do modelo C-513.

Com 30 mil metros quadrados, a fábrica reúne as áreas de usinagem, tratamento térmico e montagem. “Hoje, produzimos por dia mais de 1,7 mil unidades. Nossos processos de manufatura são pautados pela inovação, com a aplicação contínua de competências que garantem avanços de produtividade e qualidade”, afirma Jasson Azevedo, coordenador do Polo Powertrain de Betim.

Cerca de 10% da produção é exportada para a Argentina. As transmissões C-513 e C-510 estão presentes em 100% dos veículos com câmbio manual exportados para América Latina, incluindo México.

A unidade de transmissões faz parte do Polo Powertrain de Betim, que tem capacidade anual de produção superior a 700 mil motores. Esse número irá ampliar, nos próximos meses, com a inauguração da nova planta de motores turbo. “Estamos preparados para o futuro e bem próximos de alcançar o objetivo de sermos o maior hub de powertrain da América do Latina”, completa Astorino.




Comentários