Depois de um século, Ford deixará de produzir carros no Brasil

A produção será encerrada imediatamente em Camaçari e Taubaté, mantendo-se apenas a fabricação de peças por alguns meses.

Depois da Mercedes-Benz, que decidiu encerrar a produção de automóveis na fábrica de Iracemápolis (SP), em dezembro, a Ford anunciou nesta segunda-feira (11) que irá deixar de produzir carros no Brasil. A Ford Brasil encerrará a produção nas plantas de Camaçari (BA), Taubaté (SP) e da Troller, em Horizonte (CE), durante 2021, à medida em que a pandemia de Covid-19 amplia a persistente capacidade ociosa da indústria e a redução das vendas, resultando em anos de perdas significativas, de acordo com comunicado à imprensa. A companhia manterá no Brasil a sede administrativa da América do Sul, o Centro de Desenvolvimento de Produto e o Campo de Provas.

De acordo com a BBC, em média, cerca de 5 mil pessoas perderão seus empregos diretos, o cálculo não prevê a cadeia indireta. A decisão vem de uma reestruturação dos negócios da empresa na América do Sul.

"Esta decisão ocorre uma vez que a Ford está ativamente avaliando seus negócios em todo o mundo, incluindo a América do Sul, fazendo escolhas e alocando capital de forma a avançar em seu objetivo de atingir uma margem corporativa de EBIT de 8%, gerando um forte e sustentável fluxo de caixa. O nível de lucratividade é crítico para aumentar a capacidade de competir de forma eficiente e, também, para investir em serviços e veículos eletrificados e conectados, que definirão nosso futuro", explixou Lyle Watters, presidente da Ford América do Sul e Grupo de Mercados Internacionais, em comunicado para o time da Ford América do Sul.

A Ford afirma que começará a trabalhar imediatamente com os sindicatos e outros parceiros em medidas que ajudem a minimizar o impacto da descontinuidade dos negócios no Brasil. Segundo o comunicado da empresa, desde a crise econômica em 2013, a Ford América do Sul acumulou perdas significativas, precisando do suporte de caixa da matriz global.


Continua depois da publicidade


“A Ford está presente há mais de um século na América do Sul e no Brasil e sabemos que essas são ações muito difíceis, mas necessárias, para a criação de um negócio saudável e sustentável”, disse Jim Farley, presidente e CEO da Ford. “Estamos mudando para um modelo de negócios ágil e enxuto ao encerrar a produção no Brasil, atendendo nossos consumidores com alguns dos produtos mais empolgantes do nosso portfólio global. Vamos também acelerar a disponibilidade dos benefícios trazidos pela conectividade, eletrificação e tecnologias autônomas suprindo, de forma eficaz, a necessidade de veículos ambientalmente mais eficientes e seguros no futuro”.

A produção será encerrada imediatamente em Camaçari e Taubaté, mantendo-se apenas a fabricação de peças por alguns meses para garantir disponibilidade dos estoques de pós-venda. A fábrica da Troller em Horizonte continuará operando até o quarto trimestre de 2021. Como resultado, a Ford encerrará as vendas do EcoSport, Ka e T4 assim que terminarem os estoques. As operações de manufatura na Argentina e no Uruguai e as organizações de vendas em outros mercados da América do Sul não serão impactadas.

Daqui para frente, a empresa irá se concentrar no portfólio de produtos nos "pontos fortes globais", com a Ranger e a Transit, e continuará atendendo a região com "produtos-chave", como Mustang, Bronco, Territory, entre outros.

Em decorrência desse anúncio, a Ford, que iniciou sua produção no Brasil em 1920, prevê um impacto de aproximadamente US$ 4,1 bilhões em despesas não recorrentes, incluindo cerca de US$ 2,5 bilhões em 2020 e US$ 1,6 bilhão em 2021. Aproximadamente US$ 1,6 bilhão será relacionado ao impacto contábil atribuído à baixa de créditos fiscais, depreciação acelerada e amortização de ativos fixos. Os valores remanescentes de aproximadamente US$ 2,5 bilhões impactarão diretamente o caixa e estão, em sua maioria, relacionados a compensações, rescisões, acordos e outros pagamentos, segundo a montadora. 




Comentários