WEG abre fábrica de transformadores em Betim e gera 250 postos de trabalho

Gigante industrial é mais uma que entra em funcionamento na cidade neste ano; ao menos 250 vagas de emprego já foram geradas.

A gigante industrial WEG, empresa especializada na fabricação e na comercialização de motores elétricos, transformadores, geradores e tintas, é mais uma multinacional que recentemente escolheu Betim para expandir seus investimentos. Desde o dia 1º de dezembro, o novo empreendimento – o primeiro da empresa em Minas – entrou em operação em um terreno de 120 mil metros quadrados em uma área que era ocupada pela antiga fábrica da Toshiba, às margens da BR–262, e já gerou 250 empregos diretos, sendo que 90% dessa mão de obra é de Betim e de cidades vizinhas. 

Esta é a terceira planta de transformadores da multinacional no país – as outras estão instaladas em Santa Catarina – e, apesar do breve tempo de funcionamento, a empresa já prevê finalizar, em fevereiro, a fabricação de cinco transformadores de grande porte – de 200 toneladas cada um – na planta.

“A nova fábrica possui alto grau de tecnologia e inovação, requisitos que ajudam a transformar a WEG em uma empresa ainda mais competitiva na produção de transformadores de grande porte no Brasil e no exterior. Queremos, em um futuro próximo, triplicar a nossa capacidade de produção em Betim, já que nosso planejamento estratégico é nos tornamos um dos líderes nas Américas na fabricação de transformadores. Estamos muito confiantes no desenvolvimento desta estação. Por isso, começamos a contratar, em janeiro, novos colaboradores para a planta na cidade”, revelou Carlos Prinz, porta-voz e diretor superintendente da WEG. 

O anúncio do novo aporte foi feito, em dezembro, pelo vice-governador de Minas, Paulo Brant, em suas redes sociais. Na ocasião, ele avaliou a notícia da chegada da multinacional ao Estado como “auspiciosa”.

“A WEG é uma empresa especial, altamente inovadora, e que investe quase 3% de todo o seu faturamento em pesquisa e desenvolvimento. Todo o crescimento do mercado da WEG se faz em cima de expansão, que é uma característica não muito comum nas empresas industriais do Brasil. Outra característica é que ela é uma empresa muito internacionalizada”, salientou o vice-governador de Minas.


Continua depois da publicidade


Em expansão por todo o mundo, a WEG teve, somente em 2019, um faturamento de R$ 13,3 bilhões e conta, atualmente, com quase 32 mil funcionários. A multinacional possui fábricas em 12 países, espalhadas nos cinco continentes, e, segundo a mais recente lista divulgada pela revista “Forbes”, dos 33 novos bilionários brasileiros, quase um terço deles está ligado à gigante industrial catarinense.

“A WEG é conhecida pelos seus motores elétricos, transformadores e por uma infinidade de outros produtos, que fizeram dela uma referência internacional. É muito bom saber que ela escolheu Betim, uma cidade que se preparou em infraestrutura, com serviços bem prestados. Enfim, um município preparado para o grande desenvolvimento que ela está buscando em nosso território”, disse o prefeito Vittorio Medioli.

De acordo com a Prinz, a localização privilegiada de Betim e as qualidades técnicas da planta e dos profissionais da região foram requisitos que motivaram a multinacional a se instalar no município. “Nossos colaboradores são extremamente qualificados. Betim também está na região Sudeste, uma das mais desenvolvidas do Brasil e, é privilegiada logisticamente para o escoamento de produtos, tanto para o Norte quanto para o Sul do país. Além disso, nos instalamos em uma unidade que já estava em muito boas condições e que recebeu grande investimento de tecnologia e inovação”, finalizou o diretor.

Betim: ‘oásis’ de investimentos

Localizada em uma posição estratégica para o escoamento de produtos, cortada por uma das mais importantes malhas viárias do Brasil e com uma infraestrutura que vem recebendo grandes investimentos nos últimos anos, Betim tem atraído cada vez mais o olhar de empresas nacionais e internacionais.

Somente neste ano, ao menos sete novos empreendimentos entraram em operação no município, entre eles a norte-americana Amazon, uma das maiores empresas de e-commerce do mundo. A multinacional está funcionando na cidade, entre a avenida Marco Túlio Isaac e a Via Expressa, desde outubro, e já gerou cerca de 300 vagas de trabalho de forma direta.

Outra região em Betim que vem sendo alvo do aporte de grandes empresas é o complexo Via das Indústrias, obra que ligará a Fernão Dias e à Via Expressa e é fruto de uma parceria entre a prefeitura e a iniciativa privada, por meio da Operação Urbana Consorciada da Bacia do Córrego do Pintado.

A primeira empresa a abrir as portas no complexo, em setembro, foi a Sequoia, considerada pela “Forbes” a líder no país no ramo de logística para o comércio eletrônico. O empreendimento, que ocupa um galpão de 13 mil m² no Parque Torino, já contratou cerca de 150 funcionários. 

Em outubro, a varejista MadeiraMadeira, empresa paranaense voltada para o market place de bens para o lar, e a Cervejaria Império, fabricante com sede em Petrópolis, no Rio de Janeiro, entraram em operação. Enquanto a primeira alugou um galpão de 5.000 m² no Torino, a segunda funciona em um hangar de 4.000 m². Juntas, elas geraram 120 empregos diretos em Betim. 

Em novembro, a B2W, empresa de e-commerce criada após a fusão entre Submarino, Shoptime e Americanas.com, começou a atuar no empreendimento Mondovi, que faz parte do complexo Via das Indústrias. O centro de distribuição funciona em um imóvel de 7.500 m² e já criou 600 postos de trabalho. 

Em janeiro, será a vez de a norte-americana FedEx, segunda maior empresa de transporte aéreo do mundo, instalar-se na cidade, em um galpão crossdocking de 22 mil m² no Parque Torino, gerando 300 postos de trabalho diretos. Já em março, está prevista a Super Globo, fabricante de produtos de limpeza, entrar em funcionamento, em um hangar de 5.000 m² no complexo, com a contratação de 40 colaboradores.

Distritos atraem investimentos

Os investimentos que a prefeitura têm feito em distritos industriais também está atraindo o olhar de novas empresas para Betim. Erguido há mais 40 anos na cidade, o do Paulo Camilo, por exemplo, começará a passar por uma ampla revitalização, que o tornará mais moderno e atrativo para a instalação de novos empreendimentos. A expectativa, segundo o atual governo, é que, após iniciadas, as intervenções sejam finalizadas em cerca de quatro meses. As obras de melhoria são fruto de uma parceria entre a prefeitura e o governo de Minas Gerais. 

Outro distrito que recebeu obras de melhorias é o do Bandeirinhas, cujas intervenções tiveram início, em 2017, após dez anos sem avanços, e já foram finalizadas. Com a expansão do espaço, que recebeu cerca de R$ 100 milhões em investimentos, o local poderá abrigar 65 novas empresas e vai gerar 7.000 empregos diretos. 

Tópicos:



Comentários