Fras-le comemora resultados recordes no terceiro trimestre do ano

A Fras-le anunciou neste mês os resultados do terceiro trimestre de 2020 e comemorou o momento histórico da empresa, que registrou receita líquida de R$ 453,6 milhões, 36% superior ao mesmo período do ano anterior. Além do alto desempenho na receita, também no terceiro trimestre de 2020, a Fras-le concluiu a maior aquisição da sua história, a compra da empresa Nakata Automotiva. Os investimentos da empresa somaram R$ 11,1 milhões no período.

A receita bruta da empresa foi de R$ 647 milhões, aumento de 35% em relação ao terceiro trimestre de 2019. A comparação dos dois períodos também mostra o crescimento do lucro bruto, que chegou a R$ 150,6 milhões, 80% maior que o terceiro trimestre de 2019. Já o EBITDA registrou R$ 94,2 milhões, aumento de 118% se comparado ao mesmo período do ano anterior. O desempenho alcançado neste trimestre é o melhor dos últimos dez anos da empresa, que está há quase sete décadas no mercado.

De acordo com a empresa, a performance histórica da Fras-le é resultado, principalmente, da implementação da estratégia desenvolvida para gerar ainda mais competitividade ao negócio, focada na expansão das receitas e oferta de produtos e por meio de aquisições. Além do processo de adequações que a empresa vem passando desde o final de 2018, que inclui uma série de ações, como investimento em tecnologia, readequação de linhas, alterações de processos para ganho de produtividade e reduções de custos.

“Esses movimentos foram fundamentais para os resultados deste trimestre e contribuíram para o fortalecimento da nossa atuação no mercado interno e externo. Mesmo com os desafios da pandemia de Covid-19, conseguimos evoluir nos indicadores de receitas e de rentabilidade, com atenção aos cuidados de saúde e segurança de nossos colaboradores, evidenciando que a companhia está preparada para diferentes cenários”, salienta o CEO da Fras-le, Sergio L. Carvalho.


Continua depois da publicidade


No terceiro trimestre de 2020, a Fras-le também concluiu a maior aquisição da sua história, a compra da empresa Nakata Automotiva. A aquisição reforça o posicionamento da empresa no mercado de reposição brasileiro, mantendo o equilíbrio com os outros mercados, e amplia o portfólio de produtos, agregando principalmente os sistemas de suspensão e direção.

A união entre as duas empresas é um importante movimento para o mercado de reposição de autopeças, pois combina a experiência de serviços em reposição automotiva das duas companhias e amplia a gama de produtos reunidos sob um mesmo grupo, com a junção do portfólio da Nakata ao mix das marcas Fras-le, Controil, Fremax e Lonaflex. 

No terceiro trimestre, os investimentos da empresa somaram R$ 11,1 milhões. Deste montante, R$ 2,3 milhões, foi destinado para uma nova área de ensaios dinâmicos (VDA – vehicle dynamic area), localizada no Centro Tecnológico Randon, em Caxias do Sul (RS). Com 53 mil metros quadrados, o espaço foi desenvolvido para testes e homologações de sistemas de controle de estabilidade. A estrutura dispõe ainda da maior pista de baixo atrito da América Latina e de pistas especiais para análise de ruído e performance de pneus.  

Mercado de autopeças 

O desempenho positivo da empresa no terceiro trimestre de 2020 também foi alavancado pelo mercado de autopeças, que apresentou forte retomada na reposição de itens para veículos comerciais, movimento justificado pela mudança de hábito do consumidor, que passou a priorizar o transporte particular, e, consequentemente, aumentou a necessidade de peças para o veículo.

Adicionalmente, a melhora do mercado externo também influenciou o resultado do terceiro trimestre, principalmente em razão da abertura gradual das fronteiras, da recomposição de estoques dos clientes e da taxa de câmbio favorável. Segundo o diretor de Relações com Investidores, Hemerson de Souza, a empresa segue com otimismo moderado. “Estamos nos preparando, pois sabemos que teremos alguns pontos de atenção para os próximos meses, como a inflação que vem sendo observada em indicadores como IGP-M e a dificuldade para a aquisição de matérias-primas”, destaca.




Comentários