Acordo prevê R$ 20 milhões em recursos para projetos de PD&I da indústria da saúde

BNDES e Embrapii anunciam parceria e ABIMO enfatiza a importância da ação em meio à pandemia.

O BNDES e a Embrapii (Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial) acabam de anunciar um acordo que irá beneficiar o setor de saúde com participação de até 50% do total do investimento apoiáveis pelo BNDES ao desenvolverem projetos inovadores em TRL (escala dos níveis de maturidade tecnológica) mais avançados, além de prever R$ 20 milhões em recursos não reembolsáveis para projetos de PD&I.

A ABIMO (Associação Brasileira da Indústria de Equipamentos Médicos, Hospitalares, de Laboratórios e Odontológicos) enxerga a parceria como de extrema importância, já que está sendo desenvolvida e lançada em meio à pandemia do coronavírus, que tem gerado grande necessidade para o setor de saúde ser mais competitivo e inovador. "Os países passaram a executar políticas de adaptação emergencial de seu parque produtivo com inúmeros editais lançados visando autonomia tecnológica, mas estes processos costumam possuir muitos itens críticos. A parceria entre BNDES e Embrapii é uma forma mais desburocratizada, rápida e flexível de ajudar as indústrias", afirma Marcio Bosio, diretor Institucional da ABIMO.


Continua depois da publicidade


Para as indústrias do setor, a parceria é vista como um grande avanço na área. "Projetos de inovação no setor da saúde, pela alta regulação, exigem investimentos muito altos, não somente em etapas iniciais, mas principalmente no estágio final, como na validação clínica do produto, escalonamento industrial e marketing de lançamento. A parceria do BNDES com a Embrapii vai auxiliar muito as empresas do setor a concluírem projetos que estejam nestes níveis de maturidade tecnológica mais avançados e que, até o momento, apenas com recursos próprios, não conseguiam chegar até o final", afirma Rafael Braile, diretor de Operações e Inovação da Braile Biomédica. A empresa já possui dois projetos em parceria com a Embrapii mas, acredita que a união com o BNDES trará ainda mais vantagens, reduzindo os riscos associados ao lançamento de produtos, além de viabilizar uma produção inicial maior, reduzindo o custo de produção e aumentando o acesso à saúde.

Patrícia Donado Vaz de Melo, gerente de Pesquisa e Desenvolvimento da Labtest Diagnóstica, acredita que o acordo irá apoiar a estruturação da unidade produtiva, não somente sob o aspecto de maquinário, mas também regulatório. Desta forma, a expectativa é de que haja o lançamento de vários produtos inovadores, do segmento de saúde, a curto prazo, acompanhado de uma ampliação da capacidade produtiva do setor. "A Labtest possui projeto que se encontra em nível de maturidade enquadrado nesta chamada. Nos próximos dias, iremos nos reunir com a Embrapii e uma unidade do Instituto de Ciência e Tecnologia para costurar as parcerias e viabilizar a finalização do projeto e lançamento de produto", afirma.

Para a ABIMO, a iniciativa contribui de forma inédita para a indústria brasileira da saúde, que conseguiu, durante o período da pandemia, fazer a maior reprodução produtiva da história do Brasil para atender as demandas geradas graças à existência de uma produção firme, forte e inovadora e que precisa continuar sendo fomentada em todas as etapas do desenvolvimento dos seus projetos.

"Nós, da ABIMO, entendemos que a parceria atende completamente às demandas do setor, já que irá trabalhar com um modelo de inovação aberta para fomentar o desenvolvimento de tecnologias que possam ser acessíveis a todos os pacientes do país, incluindo aqueles atendidos pelo SUS", complementa Bosio.




Comentários