Cargill passa a produzir somente com energia eólica para economizar cerca de US$ 11 milhões

Cem por cento da energia para as plantas e terminais portuários da Companhia na Bahia e no Pará será renovável, proveniente de parque da Omega Energia.

A Cargill está investindo em energia eólica para abastecer as plantas de Ilhéus e Barreiras, na Bahia, e para os terminais portuários de Miritituba e Santarém, no Pará. O PPA (Power Purchase Agreement) de 10 anos de fornecimento foi assinado com a empresa Omega Energia, que investe em energia 100% limpa e renovável, com a premissa de criar valor tangível para todos seus stakeholders.

O PPA celebrado entre as empresas constitui projeto a ser implantado na região Nordeste, onde a Omega opera um amplo portfólio de ativos eólicos. Com esse investimento, a Cargill terá uma economia estimada em US$ 11 milhões no período e 10.547 toneladas métricas de CO2 evitadas anualmente (quantidade equivalente à energia gasta em 1.217 residências por um ano). Para o presidente da Cargill no Brasil, Paulo Sousa, "projetos de energia renovável externos, como este projeto de PPA com a Omega, representam um componente vital do portfólio de energia em expansão da Cargill e nossos esforços para reduzir nossas emissões de gases de efeito estufa. Para cumprir nossas metas climáticas, estamos focados em operar com mais eficiência, avançar em energias renováveis locais e diminuir o impacto ambiental nas localidades onde atuamos", explica o executivo.


Continua depois da publicidade


"A Cargill está demonstrando seu compromisso com presente e futuro sustentáveis e ficamos honrados em fazer parte dessa iniciativa que vai ao encontro da nossa missão. Prezamos muito pelas relações de parceria e longo prazo aqui na Omega, e isso acontece naturalmente quando exercemos o melhor do nosso papel: trabalhar com nossos clientes para construir soluções de negócio rentáveis e com propósito compartilhado. Encontramos essa sintonia com a Cargill que, com sua meta de sustentabilidade, colabora para atingirmos a vocação de sermos um país com empresas fortes e com produção ambientalmente responsável" afirma Fabiana Polido, Diretora Comercial e de Trading da Omega Energia.

A iniciativa está estruturada dentro da meta apresentada pela Cargill de reduzir as emissões absolutas de gases de efeito estufa em todas as suas operações em 10% até 2025, conforme medido em relação à linha de base de 2017, e alinhado ao Acordo de Paris e aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. A Cargill também tem como objetivo a redução do impacto de sua cadeia de suprimentos eliminando 30% das emissões por tonelada de produto até 2030. Esses objetivos são aprovados pela Science Based Target Initiative (SBTi), o padrão globalmente aceito para garantir que os objetivos de redução de emissões de gases de efeito estufa estejam alinhados com o Acordo Climático de Paris.




Comentários