Setor de bebidas registra queda na demanda e no faturamento

Boa parte das vendas do segmento industrial está associada ao consumo de bares, restaurantes e festas públicas. Por isso, também este nicho de mercado vem sentindo os efeitos da Covid-19. Dados mais recentes da Pesquisa Industrial Mensal, do IBGE, revelam recuo do segmento de 18,8% em março deste ano contra março de 2019, em todo o país. 

De acordo com o presidente do Sindicato das Indústrias da Cerveja e Bebidas em Geral, do Vinho e de Águas Minerais de Pernambuco (Sindibebe), Ricardo Heráclio, o estado segue a tendência nacional de retração, situação que vem afetando uma cadeia produtiva que reúne 120 empresas. “Isso acontece porque, neste momento, o consumidor final está optando por garantir os bens essenciais de consumo, evitando gastos com outras despesas em virtude, até, do cenário de incerteza”, afirmou, destacando que o coronavírus chegou a afetar entre 30% e 50% o faturamento das indústrias de bebidas de Pernambuco.

A mais recente pesquisa da Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (FIEPE) revelou que, assim como confecções, gesso, móveis, cerâmica vermelha e metalmecânica, a cadeia de bebidas tinha sido uma das mais afetadas com a crise atual: 61,88% das pessoas que responderam, indicaram queda acima de 50% em seus faturamentos. 


Continua depois da publicidade


Para a sócia e proprietária da Cachaçaria Triumpho, Ana Carolina Macedo, esse cenário é ainda mais desfavorável. Ela precisou suspender e reduzir a carga horária dos seus colaboradores, em torno de 20 funcionários, a depender do período de moagem. “Infelizmente, essa decisão foi necessária para evitar o pior, já que as nossas vendas não chegam a ser 10% do que vendíamos antes”, analisou, frisando que, antes da chegada da Covid-19, a produção era de 20 mil litros de cachaça por ano. Na visão da empresária, o desafio agora é conseguir empréstimos via bancos públicos para manter o capital de giro do negócio. “Queremos garantir esses recursos pois estamos de olho no que está por vir daqui a alguns meses, quando o pós-pandemia chegar. Isso porque o capital de giro que dispomos atualmente é pequeno para nos sustentar por meses, por isso esses recursos são fundamentais”, argumentou, destacando a necessidade da desburocratização nesses processos.

Já para João Nunes, proprietário da Cachaçaria Tabocas, afirma que o faturamento caiu 80%. Ele precisou, então rever seu posicionamento e começou a apostar na produção momentânea de álcool a 70% para garantir, ao menos, a sobrevida. “Como sou um pequeno produtor, eu faço tudo. Sem demanda, passou a ficar mais difícil levar o negócio”, lamentou. Ele acredita, no entando, que o planejamento tem sido um grande aliado no enfretamento dessa crise sem precedente. “Mantenho ainda o meu sonho de construir uma fábrica de cachaça e aumentar a minha produção de 20 litros por dia para 200 litros por dia. Como é algo que leva tempo, vou usar esse momento para amadurecer essa ideia”, projetou.  No futuro negócio, o microempresário quer ampliar a produção para mel, rapadura e açúcar. 

Tópicos:



Comentários