Reunião da OPEP+ e aliados e medidas contra impactos do coronavírus em foco

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa fechou em alta de 3% no dia 8, a 78.624 pontos, seguindo os mercados internacionais. Nos últimos dias, as bolsas avançaram com notícias melhores sobre a evolução do coronavírus na Europa e nos EUA e hoje respiram antes do feriado, à espera da retomada das reuniões da OPEP e aliados, e da divulgação dos pedidos de seguro-desemprego semanal nos Estados Unidos, às 9h30.

Na manhãde quinta (9), futuros do S&P 500 nos EUA e bolsas na Europa operam em leve queda de 0,4% e 0,2%, respectivamente, após fechamento mais positivo dos mercados asiáticos: China +0,3% Hong Kong +1,3% e Japão zerado.

No Reino Unido, o Tesouro e o Banco de Inglaterra revelaram, em declaração conjunta, que o Banco de Inglaterra vai financiar diretamente as despesas extras do governo britânico de combate ao coronavírus. A medida será “temporária, e de curto prazo” e minimizará a necessidade do governo de obter financiamento adicional no mercado.

Os preços de petróleo operam em forte alta nesta manhã, com o Brent aos US$34,27/barril (+4,35%) e o WTI aos US$26,73/barril (+6,54%). A alta reflete elevadas expectativas de que os países da OPEP e aliados como a Rússia (que compõem a chamada OPEP+) cheguem a um acordo para realizar expressivos cortes de produção em sua videoconferência agendada para hoje, às 4 horas em Vienna (11 horas em Brasília).

A expectativa é de as nações cheguem a um acordo para realizarem cortes de 10 a 15 milhões de barris ao dia (mbpd), os maiores da história. Entretanto, debates sobre o patamar de referência dos cortes, pressões sobre uma eventual participação dos EUA e a efetividade dos cortes em face do colapso da demanda global geram dúvidas sobre a efetividade de um acordo hoje.

No Brasil, de acordo com o noticiário local, o governo federal pretende pagar a conta de luz de consumidores de baixa renda por três meses, desde que o consumo não ultrapasse 220 quilowatts-hora por mês. A medida atenderá aos inscritos no cadastro de benefícios sociais do governo e deve custar cerca de R$ 1,2 bilhão.


Continua depois da publicidade


O governo também estuda a possibilidade de criar um vale mensal para que pessoas de menor poder aquisitivo possam manter as contas de celular. O valor ainda está sendo discutido pelo Ministério das Comunicações.

Além disso, de acordo com a Caixa Econômica Federal, mais de 27 milhões de brasileiros já finalizaram o cadastro para solicitar o auxílio emergencial de R$ 600. Deste total, 39,7% também solicitaram a abertura da poupança digital da Caixa para receber os recursos, o que significa que 39,7% dos indivíduos que solicitaram o auxílio não possuem conta bancária própria. O governo pretende divulgar em breve o calendário para saques.

Na política, a Câmara fará hoje nova tentativa de votar projeto com auxílio aos estados que está sendo discutido como alternativa ao Plano Mansueto. O texto deixa de lado as contrapartidas exigidas na medida original e trata de três pontos principais: recomposição de ICMS e ISS durante a crise, permissão para contratação de novas dívidas até 8% da receita corrente líquida e suspensão do pagamento das dívidas com a União. Por não prever contrapartidas, o projeto tem sido criticado pela equipe econômica.

Ontem, o presidente Jair Bolsonaro fez seu quinto pronunciamento em rede nacional de televisão desde o início da pandemia. Adotou um tom moderado como o da vez passada, mas responsabilizou prefeitos e governadores pelas medidas de restrição impostas à população e defendeu o uso da cloroquina no tratamento ao coronavírus.

Na agenda local, o destaque será a divulgação às 9h do IPCA de março, que deve ajudar na compreensão de quais tem sido os impactos do coronavírus sobre a economia brasileira. Já na agenda de eventos internacionais, os destaques serão o discurso do presidente do Fed, Jerome Powell, às 11h, e a publicação da ata da última reunião de política monetária do Banco Central Europeu, às 8h30.

No lado das empresas, tivemos ontem uma teleconferência com executivos do Banco do Brasil para tratar de como o banco tem reagido durante esta crise causada pelo coronavírus e de como está a operação do banco. No geral, o encontro foi positivo, com destaques para o avanço do digital, que está aumentando o número de usuários, penetração na base e volume de operações, bem como cautela demonstrada pelos executivos na originação de crédito. Continuamos positivos em relação ao banco, bem como reiteramos nossa recomendação de compra e preço-alvo de R$ 43,00. Clique aqui para acessar nosso relatório completo.

Por fim, A Vale anunciou a decisão de estender a parada da mina Voisey’s Bay no Canadá como tentativa de evitar casos de coronavírus nas comunidades próximas às operações da empresa. A Vale destacou novamente que a produção de níquel não deve ser impactada, uma vez que existe estoque de concentrado. No entanto, a produção de cobre será reduzida proporcionalmente ao período de paralisação. Portanto, em termos de produção, esperamos um impacto pequeno, uma vez que a produção de cobre deve reduzir cerca de 6 mil toneladas – aproximadamente 1.5% da produção consolidada da Vale em 2020E. Vemos impacto neutro para as ações da Vale. Mantemos nossa recomendação de Compra (preço-alvo de R$61/ação).

Tópicos:



Comentários