Mineira projeta baterias com recarga em apenas seis minutos

Nióbio da CBMM, de Araxá, começará a ser testado neste ano por montadoras; investimento no desenvolvimento de tecnologias é de R$ 40 milhões anuais

Para um carro elétrico rodar durante o dia, atualmente, ele precisa passar a noite plugado na tomada. Pesquisas recentes, porém, indicam que o tempo de recarga total da bateria pode cair para seis minutos. Por trás dessa evolução tem o dedo da CBMM, companhia que produz nióbio em Araxá, no Alto Paranaíba. A empresa está afinada com a necessidade do Estado de abandonar a dependência da exportação de commodities: quer se firmar como desenvolvedora de tecnologias. “Nosso trabalho é estimular os clientes a desenvolverem seus processos para uso dos nossos produtos”, explica o vice-presidente da CBMM, Ricardo Lima.

O nióbio que ela produz é usado em várias ligas – junto com aço ou ferro, por exemplo – e é aplicado desde em dutos de petróleo a baterias. Fundada em 1955 e com uma trajetória pautada pela confecção de aços, a CBMM aposta nos carros elétricos. Essa quase milagrosa recarga em seis minutos, por exemplo, só será possível graças ao emprego do nióbio mineiro em baterias com alta densidade energética e recarga ultrarrápida.

A empresa, que investe anualmente entre R$ 150 milhões e R$ 200 milhões em pesquisa e desenvolvimento, destinou R$ 40 milhões anuais ao programa de baterias e adquiriu 26% de uma startup em Cingapura que pesquisa a área. “Também investimos em um laboratório em Araxá e construímos uma planta-piloto com a Toshiba no Japão, que já faz células de baterias. Neste ano, vamos começar a mandar as primeiras para montadoras fazerem seus testes”, relata Lima.


Continua depois da publicidade


A companhia também testa carregamento de ônibus enquanto ele para na estação para embarque e desembarque de passageiros. “Um ônibus que se carrega em poucos minutos não fica parado na garagem”, explica. “Tentamos viabilizar hoje os seis minutos, mas já tem gente pensando em 15 segundos. Ainda é um sonho, mas pode ser que se torne real”, prevê o head de mobilidade, Rodrigo Amado.

Tópicos:
                 



Comentários