Produção de fundidos tem novo incremento em 2019

Esta matéria traz o balanço da indústria brasileira de fundição no exercício 2019 (produção, demanda interna e exportações), além de projeções para 2020

Dados preliminares divulgados pela ABIFA – Associação Brasileira de Fundição dão conta que a produção brasileira de peças fundidas aumentou pelo terceiro ano seguido, totalizando 2,28 milhões de toneladas em 2019. O crescimento foi de 8,8% em relação a 2016, 6,5% sobre 2017 e de 0,8% em relação a 2018.

Mais uma vez, o ferro fundido liderou a produção do setor (1,84 milhão t), seguido do aço (259, 2 mil t) e dos metais não ferrosos (192 mil t). Comparativamente ao exercício anterior, o principal crescimento ficou por conta do aço (+6,6%), seguido do ferro fundido (+0,5%). Na vertente oposta, a produção de fundidos em metais não ferrosos caiu 3,7%. Veja a tabela 1.

Tab. 1 – Produção acumulada de fundidos (mil t/ano).

 

2019

(A)

2018

(B)

2017

(C)

2016

(D)

A/B (%)

A/C (%)

A/D (%)

Ferro

1.838

1.829

1.778

1.774

0,5

3,33

3,6

Aço

259

243

187

164

6,6

38,9

57,9

Não ferrosos

192

199

183

165

(3,7)

4,7

16,2

TOTAL

2.289

2.272

2.148

2.103

0,8

6,5

8,8

*Os dados relativos ao alumínio estão inseridos em “não ferrosos”.


Continua depois da publicidade


O mercado interno foi responsável pela alta da produção de fundidos em 2019, tendo registrado aumento de demanda de 1,6% sobre 2018. No total, 1,92 milhão de toneladas foram comercializadas no país.

Já as exportações caíram 3,6% em peso (364,1 mil t) e 4,1% em valor (728,1 MUS$). Os números detalhados estão na tabela 2.

Tab. 2 – Perfil do mercado consumidor de fundidos no Brasil nos últimos dois anos.

Mercado interno

2019 (t)

2018 (t)

Variação (2019/2018)

1.924.813

1.894.018

+1,6%

Exportações (15,1% da produção total)

2019

2018

Variação (2019/2018)

Peso (t)

Valor (MUS$)

Peso (t)

Valor (MUS$)

Peso (t)

Valor (MUS$)

364.076

728.080,4

377.548

759.598,6

(3,6%)

(4,1%)

        

Para atender à demanda de peças fundidas em 2019, o setor empregou 55.002 profissionais. Com isso, em dezembro a sua produtividade alcançou 40,9 t/h.a.

Segundo ranking da revista Modern Casting (data-base dezembro de 2018), o Brasil passou da 10ª para a 9ª posição entre os produtores mundiais de fundidos, atrás da China, Índia, Estados Unidos, Japão, Alemanha, Rússia, México e Coreia (tabela 3).

Tab. 3 – Produção mundial de fundidos segundo ranking da revista Modern Casting, ano base 2018.

Colocação/país

Produção em 2018 (milhões t)

Nº de fundições

  1. China

49,35

26.000

  1. Índia

13,39

4.600

  1. Estados Unidos

10,76

1.935

  1. Japão

5,76

1.769

  1. Alemanha

5,43

527

  1. Rússia

4,20

1.140

  1. México

2,91

800

  1. Coreia

2,57

889

  1. Brasil

2,28

1.024

  1. Itália

2,26

1.044

Perspectivas para 2020

Tendo em vista os principais índices da economia e as projeções dos principais mercados consumidores de fundidos no país, Afonso Gonzaga, presidente da ABIFA, acredita que o setor tem condições de crescer entre 5,5% e 6% este ano, com a manutenção da capacidade instalada em 4 milhões de toneladas anuais.

A projeção da entidade é que a demanda do setor aumentará gradativamente, atingindo 3,2 milhões de toneladas em 2023. Para isso, Gonzaga confia no desdobramos da Reforma Previdenciária e Trabalhista brasileira, além da implementação da Reforma Tributária, que, juntas, proporcionarão maior competitividade ao empresariado brasileiro, paralelamente à facilitação da oferta de crédito para investimentos.




Comentários