Umicore destaca a importância do controle de poluentes para a mobilidade sustentável

Medidas que promovem a qualidade dos ambientes urbanos estão cada vez mais presentes nas discussões sobre transportes de carga e coletivos

A mobilidade é, atualmente, um dos grandes desafios das cidades, em toda parte do mundo. Por isso, muitas metrópoles, onde há vasta concentração de carros, ônibus e caminhões, agora buscam soluções e tecnologias que permitam o seu próprio crescimento e funcionamento de forma sustentável.

Essas medidas já acontecem, por exemplo, nas cidades inteligentes, ou smart cities, que reúnem uma série de ações e planejamentos inovadores, considerando a eficiência das operações e serviços urbanos nos aspectos econômico, social e ambiental. Uma dessas medidas é o controle da emissão de poluentes.

Em complemento, existe um importante investimento da indústria automotiva em veículos híbridos e elétricos. Apesar de já ser uma realidade, a sua popularização depende de fatores econômicos e de infraestrutura. A frota que utiliza essa tecnologia, no Brasil, ainda é muito inferior à frota com motores a combustão. Nesse sentido, os catalisadores automotivos representam uma solução muito significativa, inclusive para os veículos híbridos, pois eles também possuem um motor a combustão.


Continua depois da publicidade


O controle da emissão de poluentes no Brasil

No Brasil, a indústria automotiva brasileira precisará se adequar até 2022, para novos veículos, e até 2023, para todos os veículos, às novas resoluções do Programa de Controle da Poluição do Ar para Veículos Automotores (PROCONVE), determinadas pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). No fim de 2018, foi estabelecida a fase do PROCONVE P8 para os veículos comerciais pesados a diesel (passageiros e de carga), equivalente à norma Euro VI, em vigor na Europa desde 2013.

“A mobilidade é um dos desafios contemporâneos. Com a grande quantidade de carros e veículos pesados, vem o trânsito, assim como a poluição. Para a gestão inteligente de uma cidade, é preciso pensar na melhor administração dos sistemas de transporte, assim como no controle da emissão de gases poluentes provenientes dos motores a combustão. E os catalisadores automotivos trazem essa tecnologia”, afirma Stephan Blumrich, diretor da Umicore, empresa especialista em tecnologias para redução de emissões tóxicas.

Soluções de mobilidade

O monitoramento e controle das emissões de poluentes, de dióxido de carbono e do consumo energético dos sistemas de transporte urbano é uma das medidas das cidades antenadas com algumas das práticas das smart cities. Adicionalmente, os biocombustíveis apresentam uma solução viável para eliminação do CO2 fóssil. Mas, esta é só uma amostra entre diversas ações voltadas para a questão da mobilidade urbana sustentável. Outras soluções, presentes em vários municípios do Brasil e do mundo, são:

• Sistema de semáforos inteligentes: controle dos semáforos de acordo com o fluxo do tráfego, dando prioridade ao transporte coletivo;

• Estacionamento inteligente: informação em tempo real sobre vagas desocupadas para estacionamento por meio de aplicativo;

• Sistemas de navegação, que incluem: alertas em tempo real sobre congestionamentos, perigos, obras, caminhos alternativos etc.;

• Horários de ônibus: informação em tempo real sobre as linhas de ônibus, via aplicativos, website, SMS e sinalização eletrônica na cidade;

• Aluguel de bicicletas: informações em tempo real sobre onde alugar e devolver bicicletas.

“Temos uma extensa frota de milhões de veículos no País, o que faz dessas medidas essenciais para que nossas cidades possam atingir um crescimento sustentável. O uso do catalisador automotivo é uma, de muitas, ações nesse sentido. Por isso, acreditamos na importância da inspeção veicular e da renovação da frota no Brasil, que funcione com os sistemas mais modernos e de acordo com as novas normas de emissões”, finaliza Stephan Blumrich.




Comentários