Avanços da automação e IA aumentam em seis vezes a demanda por habilidades de inteligência emocional

Entretanto, menos de uma em cada cinco empresas está investindo em treinamento de inteligência emocional para seus funcionários com cargos abaixo do nível de supervisão

À medida que as novas tecnologias automatizam tarefas mais tradicionais e rotineiras, executivos e funcionários reconhecem que as habilidades de IE (Inteligência Emocional, em inglês: EI ou Emotional Intelligence) – como autoconsciência, autogestão, conscientização social e gestão de relacionamentos – serão um requisito essencial para o sucesso nos próximos anos.
 
Embora a demanda por habilidades de IE aumente em seis vezes nos próximos 3 a 5 anos, o recrutamento e o treinamento nessa área não estão conseguindo se adaptar. Isso está definido para deixar muitas empresas incapazes de colher os benefícios que a IE oferece em termos de satisfação dos funcionários, geração de receita, menor atrito e redução de custos. O relatório “Emotional Intelligence – The Essential Skillset for the Age of AI” (em tradução livre, “Inteligência Emocional – o conjunto essencial de habilidades para a era da IA”) do Capgemini Research Institute fornece uma visão global de como as empresas veem a EI e recomenda que combinem tecnologia com talento para desenvolver habilidades relevantes entre seus funcionários.
 
Os principais resultados do estudo incluem:
 
À medida que a IA e a automação aceleram, a inteligência emocional está se tornando uma habilidade essencial
Quanto mais as tarefas tradicionais e rotineiras se tornam automatizadas, as organizações estão valorizando as habilidades de EI, da autoconsciência ao gerenciamento e comunicação de relacionamentos. Os executivos disseram que os funcionários precisam desenvolver habilidades de EI para que possam se adaptar a mais funções relacionadas ao cliente/pessoa (76%) e assumir tarefas que exigem habilidades de EI que não podem ser automatizadas (também 76%), como empatia, influência e trabalho em equipe.
 
Mais, 61% dos executivos pesquisados ​​disseram que a inteligência emocional se tornará uma habilidade “imprescindível” nos próximos 1 a 5 anos, 41% dos funcionários em funções que não são de supervisão ecoam esse sentimento. No geral, 83% das organizações disseram que uma força de trabalho com alta inteligência emocional será um pré-requisito para o sucesso nos próximos anos.
 
Os funcionários estão nervosos com o impacto da automação e da IA ​​na relevância de suas habilidades
A parcela de funcionários que acredita que suas habilidades são ou se tornarão redundantes devido à automação e à IA aumentou 10% em 2 anos. No geral, a porcentagem de funcionários que acredita que suas habilidades são ou serão redundantes nos próximos 2 a 3 anos aumentou de 30% para 39%. Some-se a isso, a participação dos millennials que sentem que isso aumentou de 40% para 50%. Evidentemente, esses millennials estão cientes do impacto da automação e da IA, ​​e estão ficando mais ansiosos, porque percebem que absorverão o máximo impacto da automação.
 
O desenvolvimento de habilidades de IE provavelmente beneficiará a organização e os seus funcionários, que precisam cada vez mais se adaptar ao cenário de trabalho em mudança. Peter Billiau, Chief Information Officer da Yara, uma empresa química norueguesa, sugeriu: “A automação e a IA podem desencadear muitos temores entre os funcionários. E a inteligência emocional pode permitir que os funcionários expressem esses medos, bem como encontrar estratégias úteis de enfrentamento para se adaptar às incertezas que a IA e a automação poderiam trazer para eles”.
 
Organizações com uma força de trabalho emocionalmente inteligente estão colhendo os benefícios
As organizações que possuem funcionários com alta inteligência emocional estão obtendo benefícios significativos. Em média, 60% das organizações pesquisadas obtiveram mais de 20% de benefícios por terem funcionários que apresentam um alto IE. Os principais benefícios quantitativos incluem um aprimoramento na produtividade (63%), maior satisfação dos funcionários (62%) e aumento na participação de mercado (61%).
 
A pesquisa calculou que as organizações que fazem um investimento sustentado em IE terão um retorno sobre o investimento de 2,2 vezes e até 4,3 vezes quando o impacto na receita, produtividade, custos e o desgaste for levado em consideração.
 
Os processos das pessoas nas organizações não foram adaptados para lidar com a idade da máquina, especialmente para funcionários que não são supervisores
Enquanto 75% das organizações disseram que podem desenvolver habilidades de EI em seus funcionários, muito menos estão fornecendo treinamento relevante para ajudar a alcançar esse objetivo. Apenas 42% das organizações fornecem treinamento para a gerência sênior e liderança, caindo para 32% para a gerência intermediária e chegando a apenas 17% para os funcionários em funções que não são de supervisão. Apesar de os funcionários em funções de não supervisão serem os mais afetados pela automação, menos de 40% das organizações testam habilidades de IE durante a contratação ou avaliam essas habilidades em seus funcionários existentes em funções de não supervisão.
 
A pesquisa concluiu ainda que as empresas precisam incorporar a IE em suas diversas práticas de pessoas e adotar abordagens de baixo para cima e de cima para baixo para criar uma força de trabalho de alta IE por meio de modificações nos processos existentes. As organizações também precisarão criar uma cultura que valorize a IE e se esforce para melhorar continuamente. Quatro áreas são destacadas como as principais, nas quais as organizações devem se concentrar para criar uma força de trabalho emocionalmente mais inteligente:
• Customizando os programas de aprendizado existentes para integrar a IE;
• Modificando os processos de recrutamento para incluir a avaliação de IE;
• Utilizando uma lente IE ao promover e recompensar talentos;
• Usando a tecnologia para criar uma força de trabalho de alto IE.
 
“As empresas estão cada vez mais conscientes da necessidade de habilidades de inteligência emocional, mas não estão se movendo rápido o suficiente para investir nelas”, disse Claudia Crummenerl, líder global de práticas, pessoas e organização da Capgemini Invent. “Esta nova pesquisa mostra a necessidade de IE à medida que as tarefas rotineiras se tornam automatizadas e também os benefícios que as empresas podem obter por terem uma força de trabalho emocionalmente inteligente. A experiência das empresas mais bem-sucedidas nesse espaço mostra que as organizações devem priorizar a IE no recrutamento, treinamento e cultura para formar uma equipe resiliente em um mundo em mudança”.
 
Metodologia do relatório
A pesquisa entrevistou 750 executivos de grandes organizações dos setores de produtos de consumo e varejo, bancos de varejo e seguros, automotivo e de serviços públicos e também conduziu entrevistas aprofundadas com diversos especialistas do setor. Além disso, 1,5 mil funcionários nos setores de produtos de consumo e varejo, bancos de varejo e seguros, automotivo e serviços públicos também foram entrevistados. Ambos os estudos ocorreram entre agosto e setembro de 2019.




Comentários