Indústria brasileira de máquinas e equipamentos registra crescimento de receita líquida de vendas em agosto, diz Abimaq

Segundo balanço divulgado pela Abimaq (Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos) a indústria brasileira do setor registrou crescimento da receita líquida de vendas durante o mês de agosto de 2019 quando comparado com o mês de julho de 2019.

Em relação ao mesmo mês de 2018 houve, no entanto, queda de 2% que resultou, mais uma vez, em redução da taxa de crescimento acumulada no ano, desta vez para 1,1%. Em 2019 a redução das vendas é decorrente da desaceleração das atividades no mercado internacional, no doméstico as vendas de máquinas cresceram 5,9% em relação a 2018 (jan-ago).

No mês de agosto de 2019, o setor fabricante de máquinas e equipamentos confirmou as expectativas e registrou crescimento em relação ao mês de julho puxado pelo bom desempenho nas vendas direcionadas ao mercado doméstico que cresceram 16% no período.

Mas as vendas para o mercado externo decepcionaram e inviabilizaram a superação do resultado alcançado no mesmo mês de 2018 (R$ 7,7 bi). Os dados registrados até o mês de agosto são reflexo da fraca atividade econômica observada e indicam que as expectativas de crescimento, ao redor do observado em 2018 (5%), não se confirmarão. A revisão do modelo indica um crescimento da ordem de 1% em 2019.


Continua depois da publicidade


No mês de agosto houve crescimento em diversos setores da indústria de máquinas, porém os mais relevantes em termos de participação nas exportações de máquinas registram recuo.

O setor de fabricantes de Máquinas para Logística e Construção Civil e o de Componentes para a indústria de Bens de Capital, que juntos responderam por 60% das vendas destinadas ao mercado externo recuaram, respectivamente, 24% e 13,5% em ago/2019.

Por outro lado houve crescimento no setor fabricante de Máquinas para Agricultura (11,5%) e também no de Máquina para Petróleo e energia Renovável (275%). Este último em função da venda de US$ 46 milhões em Tubos sem costura. No ano somente o setor de Componentes manteve taxa de crescimento nas exportações (14%).




Comentários