MWM fecha fábrica de motores na Argentina e transfere para o Brasil

De acordo com a MWM argentina, a operação no país se tornou inviável

A crise econômica na Argentina tem afetado enormemente o setor automotivo por lá. Mesmo com a redução de quadro de funcionários, queda nas vendas e fechamento de alguns turnos de trabalho, essa parte da indústria no país vizinho continua perdendo terreno e, agora, fábrica.

A MWM, tradicional fabricante de motores diesel, anunciou o fechamento de sua planta de produção na Argentina. Controlada pela americana Navistar, a empresa tem planta em Jesús María, na província de Córdoba, região centro-norte do país. A unidade é uma das três que a empresa sediada no Brasil possuía.

Inaugurada em 1995 junto com a planta de Canoas-RS – que fazia o motor da Chevrolet S10 e fechada em 2015 – a unidade de Córdoba agora fecha as portas também com a demissão de 100 empregados. De acordo com a MWM argentina, a operação no país se tornou inviável.

A MWM produzia motores diesel para Ford, GM e Mercedes-Benz. No entanto, em 2001, a crise da ocasião encerrou a produção de propulsores, mantendo-se a fabricação de peças para abastecimento das linhas que ficavam no Brasil. No ano de 2013, a empresa já estava nas mãos da Navistar International e iniciou a produção de geradores e motores elétricos.


Continua depois da publicidade


Entretanto, com a crise atual na Argentina, a MWM diz que não há condições de se manter por lá e por isso toda a produção local será transferida para o Brasil, provavelmente reforçando as atividades de sua fábrica em São Paulo, que fica na região de Jurubatuba, zona sul da capital paulista.

Com esse movimento, a MWM International centrará suas operações de produção de motores diesel e componentes no Brasil, onde chegou em 1953, ainda sob o controle da Motoren Werke Mannheim, sendo assim filial da empresa alemã homônima, que fora fundada em 1922. Em 1985, a então MWM Motores Diesel Ltda foi adquirida pela Deutz AG, que vendeu seu controle para a Navistar International em 2005.




Comentários