O Mercosul e a Aliança do Pacífico sob perspectiva brasileira

Artigo com autoria de pesquisadores da Unesp recebe destaque em observatório internacional


Continua depois da publicidade


Um artigo escrito por pesquisadores da Unesp e colegas de outras instituições foi publicado no boletim do Observatório Estratégico de la Alianza del Pacifico (OEAP), veículo que tem por finalidade divulgar materiais que contribuam para as tomadas de decisão do bloco latino-americano. O trabalho em questão trata da aproximação do Mercosul e da Aliança do Pacífico, sob a perspectiva brasileira.

O material publicado no boletim foi elaborado pela Rede de Pesquisa em Política Externa e Regionalismo (REPRI), formada por pesquisadores de diferentes instituições, entre elas a Unesp, e dedicado a compreender os determinantes e motivações da política externa dos Estados e os processos de regionalismo e multilateralismo, baseando-se em objetos de estudo, diversas abordagens teóricas e metodológicas.

Para uma das autoras do artigo, Julia Borba, o texto ganha ainda mais importância no atual contexto do Mercosul. “O Brasil assumiu a presidência do Mercosul em julho deste ano e já manifestou o interesse em dar continuidade aos trabalhos com a Aliança do Pacífico”, afirmou a autora, que realizou o mestrado no programa San Tiago Dantas. O Programa San Tiago Dantas é um programa interinstitucional que envolve a expertise em Relações Internacionais de três universidades de São Paulo: Unesp, Unicamp e PUC-SP.

O artigo pode ser lido no link a seguir: https://docs.wixstatic.com/ugd/438ac2_8bfb2aeb799346e18943921dee63d0bd.pdf

No boletim, o diretor executivo do OEAP, Jose Luis Parra, argumenta, entre outros pontos, que a aproximação do livre mercado tem sido diferente desde a criação dos dois blocos, mas que existem pontos de convergência que podem ser alcançados no médio e longo prazo e que poderiam causar um impacto positivo para o comércio internacional dos membros dos dois blocos.

Ainda segundo Parra, o Chile – membro da Aliança do Pacífico – poderia exercer um papel relevante na aproximação dos dois lados, uma vez que o país tem estabelecido modernos acordos de livre comércio com Brasil e Argentina.


Continua depois da publicidade


Professor da Unesp e um dos autores do artigo, Marcelo Mariano acredita que o texto pode ajudar no entendimento do papel da diplomacia brasileira dentro do continente. "Apesar de ser um tema que está presente na agenda brasileira, o novo governo traz desafios para o diálogo entre os blocos, principalmente por não haver ainda uma definição do papel que o Brasil desempenhará na América do Sul e o que a região representa na política externa do novo governo", destaca.




Comentários