Gradiente anuncia retorno ao Polo Industrial de Manaus para fabricação de inversor solar

Empresa que operou na cidade até 2008 prevê 360 vagas de emprego e faturamento de R$ 285 milhões em três anos

O presidente do Grupo Gradiente, Ricardo Staub, anunciou em entrevista coletiva realizada na tarde desta quinta-feira (4), na sede da empresa em Manaus, que a fábrica irá retornar a atuação no Polo Industrial de Manaus (PIM) em no máximo 60 dias. A previsão é que só nos três primeiros anos haja um faturamento de R$ 285 milhões.

A fábrica que já foi conhecida por ser pioneira no ramo de eletrônicos, agora investe na fabricação de inversores solares e almeja empregar, nesta fase, inicial 50 empregos diretos e indiretos, com um investimento de R$ 5 milhões em equipamentos e instalações.

“Queremos começar pequeno, mas de uma forma lucrativa, até porque também somos pioneiros na fabricação deste produto aqui no Brasil. Embora a maioria dos nossos concorrentes serem produtos importados, aqui ninguém os conhece, o que nos coloca como primeiro player nacional no mercado”, afirmou o presidente do Grupo Gradiente que ainda garante a ampliação dos empregos para 360 vagas daqui a três anos.

Ele ainda destaca que para a fábrica iniciar os trabalhos, existe apenas a necessidade da aprovação de uma homologação em assembleia juntamente com credores, para que ocorra o acesso aos investimentos.


Continua depois da publicidade


“Nossa expectativa era de aprovar a assembleia na última segunda-feira (1), mas isto foi cancelado devido uma questão de foro de São Paulo e Manaus e assim que estivermos aprovados, estaremos aptos para poder iniciar a produção local”, afirmou o presidente do Grupo Gradiente.

Produção                   

O grupo estima produzir 100 mil inversores solares nos primeiros anos, onde, o principal ponto de venda será por meio de distribuidores ou lojas próprias e especializadas. Este é o primeiro produto que a Gradiente lança dentro do segmento de energia solar, onde, inicialmente irá trabalhar com a importação de painel para montar o artigo final ao cliente.

Ao todo, serão sete produtos disponíveis para venda, com voltagens de mil a dez mil watts, que variam entre os valores de R$ 1 mil a R$ 10 mil reais.

Histórico

Pioneira no setor eletroeletrônico no Brasil, a Gradiente se instalou na Zona Franca de Manaus (ZFM), em 1973, e operou até 2008, depois de enfrentar a crise internacional que a levou a se ausentar do mercado. Na época, a Gradiente chegou a ter nove mil funcionários. Ainda assim, a empresa nunca saiu totalmente da Zona Franca de Manaus e manteve os galpões instalados e alugados para outras empresas, enquanto ficou trabalhando para reestruturar e voltar a produzir em Manaus.




Comentários